Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O som dos sonhos

O som dos sonhos


A vida é um jogo de sobrevivência. Enquanto uns se entregam á soma do cansaço, outros do outro lado ou perto, travam lutas inumeráveis, golpeando monstros invisíveis. Invisíveis também são os sonhos desses sobreviventes. Ninguém pode enxergar um sonho a não ser o próprio criador. Ninguém pode medir a altitude da alegria a não ser quem sente. Ninguém pode calcular o peso da lagrima depois que ela cai. Ninguém pode sobreviver no jogo da vida sem trazer nas malas os sonhos.


Mas quando a vida, cansada de tudo e tão frágil a ponto de não ouvir mais o som dos sonhos, o jogo pára e o sobrevivente separa as passagens e embarca rumo ao trem do sono.



 Lembre-se há uma porção de atos simples, mas valiosos á vida. Como por exemplo; um abraço, palavras de carinho e encorajamento, um obrigado ou ate mesmo um ligeiro sorriso. E quando preciso os alertar aos  riscos no caminho que o sobrevivente provavelmente irá encontrar.



Somos seres humanos, frágeis independente da posição social que ocupamos e de qualquer outro substantivo que venhamos á ter. Concentrar as forças alimentando o ódio, a violência, o desrespeito ao próximo por não ostentarem os mesmos paradigmas que os nossos, é diminuir aos poucos a voz do sonho, mas não só a do outro também a do nosso.
   

Enquanto for possível ouvir a voz dos sonhos a vida mesmo que exausta, deixa o sobrevivente degustar das alegrias em suas vitórias.




(...) E nenhumas das cartas foram respondidas, todas retornaram com a mesma observação: destinatário não encontrado(...)



Jane Krist


ao som de


Travessuras
Oswaldo Montenegro

Eu insisto em cantar
Diferente do que ouvi
Seja como for recomeçar
Nada mas a que há de vir
Me disseram que sonhar

Era ingênuo, e daí?
Nossa geração não quer sonhar
Pois que sonhe, a que há de vir
Eu preciso é te provar
que ainda sou o mesmo menino
Que não dorme a planejar travessuras
E fez do som da tua risada um hino.

Me disseram que sonhar
Era ingênuo, e daí?
Nossa geração não quer sonhar
Pois que sonhe, a que há de vir
Eu preciso é te provar
que ainda sou o mesmo menino
Que não dorme a planejar travessuras






Jane Krist Coffee
Enviado por Jane Krist Coffee em 15/09/2006
Reeditado em 15/09/2006
Código do texto: T240806

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Jane Krist Coffee). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Jane Krist Coffee
São Paulo - São Paulo - Brasil
503 textos (67733 leituras)
1 e-livros (1205 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:24)
Jane Krist Coffee