Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poeta de Cera

E eu que não queria sentar e escrever
(objetos e vísceras ririam de mim)
Versos incorruptíveis entornariam da mente
E os éticos preconceitos murchos
Torrá-los-ia e moê-los-ia com minha insana ira;
Com pesares e nódulos, morreria mansinho
Sob a penteadeira do quarto
Com minha alma vazando.

Ter-me-iam de dar seus suplícios derradeiros
Com falsa e imensa fúria
Aos meus gélidos pés, um abrigo marmóreo;
Não caberia a minha alma em esquife comum
Trar-me-iam gerânios em vez de cravos
(fixar-me-ia em abraço simbiótico aos presentes)
Forneceria por meus mais polidos laços de afeto
Um espasmo de sorriso mórbido
(desses que fedem à parafina liquefeita).

Teriam, ao rés dos anos, migalhas intumescidas
A lançar no oceano das rasuras
(suas lisas fontes de espírito, e impuras);
Ah, vida erudita e mesquinha a pôr de lado meu verso!
Dá-me o acético do teu ósculo que irei à paz
Olvida-me os dias, rasgados a fio, em companhia das letras
Perquira os céus a encerrar-me consolo;
Certamente encontrará uma mesa, um lápis e um rascunho.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 23/09/2006
Reeditado em 17/04/2007
Código do texto: T247638

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34092 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 07:59)
Cesar Poletto

Site do Escritor