Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O DESFILE DA MISÉRIA.

Manoel Lúcio de Medeiros.

O vento gélido oscila, gera pedras opacas,
A noite sombria dorme no espaço aberto,
Lençóis de trevas cobrem campos desnudos,
E o tempo obscuro patrocina o mal incontido,
Na sombra da morte, gatilhos assaltam!

Enquanto milhares usufruem o sono da fadiga,
Transeuntes noturnos são vitimados à força,
Sob arquitetadas tocaias são despenados!
Homens réprobos, sanguinários enxameiam;
Há horror em cada esquina, um mundo abissal!

E o despojo infame sega vidas na resistência,
A terra sedenta bebe o sangue hemorrágico,
Enquanto gemidos se perdem na escuridão;
A roda do mal gira em torno da terra indefesa!
A segurança e a paz se despedem no pôr-do-sol!

A miséria da vida desfila no palco da morte,
A impunidade e a injustiça espreitam o mal,
Jornais deflagram terrores e tormentos,
Sete cabeças imergem o sono da separação;
Crânios traumatizados jazem ao toque da luva!

A violência é tumor maligno na pele do povo,
É preciso extirpá-lo com o bisturi da justiça!
O direito clama o cumprimento da lei violada,
Enquanto a corrupção corrói como ferrugem;
O sol se fecha às indecências dos poderosos!


Direitos autorais reservados.

 


Malume
Enviado por Malume em 09/10/2006
Reeditado em 09/10/2006
Código do texto: T259796
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Malume
Fortaleza - Ceará - Brasil
452 textos (16869 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 17:11)
Malume