Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Para-Pente

Levemente voa ao vento um para-pente. Um casal paira, desliza no ar e arrebata olhares de todos que passam pela praia...pela areia. Os olhares são de admiração, os sorrisos têm conotação de parabéns! Um casal mais idoso pára e olha com ares de alívio, como se pelo menos a juventude de agora os levasse à forra.
Fica claro no semblante de todos, que imaginam a delícia de estar ali, pairando sobre as areias, respirando o ar do mar que embeleza aquelas almas que se sentem pássaros por uns instantes. Ícaros às avessas que não terão as asas derretidas.
Imaginam que gostariam de estar lá, enxergando o alto dos prédios de perto e até emparelhando os corpos com pássaros que sempre são vistos de baixo... de longe. Tendo uma vista maior para um mundo tornado pequeno e um horizonte muito mais amplo, nunca visto desse ângulo.
Mas em tudo há o momento anexo. Aquele momento que a grande maioria não queria passar. O momento em que essa leveza fez o preço e aquele casal pagou para viver.
Se pairar sobre as praias, o mar, os humanos... é uma delícia e uma satisfação para alma, provavelmente, na mesma proporção estará a angústia, a aflição, o temor do momento do pulo.
Afinal, antes da festa, ali estão diante dos pássaros humanos as duas possibilidades... os dois extremos: de um lado, a visão das delícias que o vôo presenteia e que serão provavelmente, indizíveis. Do outro, a sensação da possibilidade do pequeno erro, do vento avesso, e da fatalidade que pode girar entre a dor e até a morte.
Num rápido instante, tudo nas mãos: a alegria, a satisfação e o erro (tão humano) que pode levar ao contrário de tudo que se sonhava.
Ocorre que a grande maioria desses olhares perplexos prefere a segurança do solo. O coração é atingido ali por um sentimento dividido entre uma certa inveja e a perplexidade que diz: -eles ousam!!

...E se atiram voantes
Para além do morro,
Desafiam as alturas.
Humanidade de asas postiças
E coração de verdades ousadas,
Passareiam como donos do espaço.
Olhares virados pro céu
Assistem de pés fincados
Ao colorido espetáculo.
Desaforado delírio
Que encanta até ao cansaço.
Dão-se as mãos num gesto de segurança
Meneiam cabeças... loucura demais!
E a negativa “madura”, insegura
Supõe preservar uma paz.

Ainda que o solo pisado seja desconfortável e incerto, ainda que a marcha seja dolorosa e prenda os passos de arrasto num caminhar vagaroso e doentio. Melhor não correr o risco da morte, ainda que a morte ronde cada passo dessa descaminhada tediosa e desconcertante.
É o medo do pulo, o medo de se atirar para a vida e viver o sonhado. Ele é muito maior do que a certeza que parecemos ter de sobreviver ao frustrante...ao insípido, mas afinal, conhecido.
Assim, julgamos melhor olhar para o céu e admirar, com toda a capacidade de alçar que a alma aprisionada carrega, o ousado gesto que leva o casal a sentir aquele prazer.
Melhor a segurança em baixo dos pés...mesmo que saibamos que a proporção dos que erram o pulo e absolutamente mínima...quase nula, e dos que encontram a morte é muito menor ainda.
O medo tão grande faz com que não consideremos a estatística e nem as boas novas que ouvimos de quem já voou. Não nos atiramos para o segundo de angústia mesmo cientes das alegrias que os novos horizontes nos trarão.
Ao frio na barriga e o arrojo ao incerto, preferimos olhar para o céu numa tarde linda de verão ou outono e ver as cores diversas das asas deltas e dos para-pentes tantos que passam atrevidamente e sorridentemente desafiando a nossa covardia. Preferimos a segurança do sonho que afinal, sempre nos preservará a esperança de um dia... quem sabe...talvez.
Sônia C Prazeres
Enviado por Sônia C Prazeres em 14/10/2006
Reeditado em 14/02/2007
Código do texto: T264595

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Sônia C. Prazeres www.soniaprazeres.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sônia C Prazeres
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
178 textos (8563 leituras)
15 áudios (1757 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:38)
Sônia C Prazeres