Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

50 Anos

Quando chegamos aos 50 anos, dizem que dobramos o Cabo da Boa Esperança, ou que estamos na idade do lobo. Ouço também, que alguns poucos ficam loucos de raiva. Sentem como se uma navalha lhe cortassem a face.

Quando se é jovem,carta de amor é telegrama; sucesso é fama; drama é fogo de muitas chamas; amar é beijo fácil de novela; qualquer coisa assanha; valsa termina em samba.

Na meia - idade  tudo é diferente. A vida tem outros sabores, cores e texturas.  Já não temos algumas inseguranças.  Podemos até ser um pouco criança com menos riscos de sermos ridículos.  Hoje, cinqüentão, eu acredito nisso. Eu ainda sou um menino atrevido, faceiro; xingo a mãe do vizinho; como cidadão tenho dores de ouvido, principalmente em época de eleição.

Brinco na rua de chinelo de dedo; busco a lua; contos estrelas; falo besteiras e mergulho no mar dos meus desejos.

Durmo sem travesseiro, com o rosto colado na cama dos meus sonhos e pesadelos.

Duvido e brigo com a sorte; driblo a morte; construo castelos com doses de momentos mobiliados por gestos e olhares, que guardo a sete chaves em meu coração.

Rezo com uma só mão. Na outra, trago o perdão. Assim, tenho menos solidão e crio laços de grandes e duradouras amizades.

Às vezes, preciso ser um pouco fino, me equilibrar na corda bamba e encarar desafios.  Só não vivo no meio – fio, à margem do rio da vida.

Faço exercícios – flexões, mas prefiro exercitar a mente - reflexões.

Gosto do amor desmesurado; de um sorriso de olhar meigo, encabulado; do dorso desnudo da mulher amada em um decotado vestido; de um vinho tinto que me faz sonhar com o amanhã; de um vento bem – humorado, acariciando meu rosto e do cheiro das manhãs.

Tenho poucas vaidades, algumas manhas e saudades. Sonho acordado. Namoro o mar, amo os abraços apertados dos meus filhos, mesmo nas horas em que pedem meu carro emprestado.

Transbordo alegrias quando contemplo flores debruçadas nas sacadas das janelas. Vejo poesia na chuva fina batendo nas vidraças.

Sinto - me como um pássaro, no bico a paz, voando em um mundo colorido de possibilidades. O que posso desejar mais?


Roberto Passos do Amaral Pereira
Enviado por Roberto Passos do Amaral Pereira em 15/10/2006
Reeditado em 20/08/2007
Código do texto: T264761
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roberto Passos do Amaral Pereira
Vitória - Espírito Santo - Brasil
1280 textos (127659 leituras)
11 áudios (1581 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:47)
Roberto Passos do Amaral Pereira