Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tédio

Tédio

Tédio, que remédio posso tomar?
Incrédulo no mais que possa tardar
Não me acontece nada de novo, de novo
O tédio se alastra, rastejando, movendo-se pegajoso pelo chão.
Ouço até seu barulho molhado, escuro como a noite, invisível como sempre esteve antes.
Deixa-se a cada pequena fresta, entre os tacos de madeira, asqueroso como sempre esteve.
Segura os ponteiros que rodam e rodam sem sair do lugar.
Tirando o brilho de meus olhos que no vazio se perdem.
O balanço de minhas pernas de nada adianta, apenas excitam o ar a sua volta, que logo volta ao seu lugar, no mais tedioso movimento.
Novamente ele, agora com seu tic-tac cadenciado, como gotas de água cinza a cair num molhado negro.
Os olhos fechados de nada adiantam, pálpebras transparentes.
Tédio, que remédio?
De nada adianta escrever, me perco em palavras inúteis como estas, estas mesmo que estás a ler.
Escritas num passado, que seu presente não há de acreditar.
Peguei o tédio e vou revidar.
Pois aprisionei o safado nestas palavras e ele nunca irá escapar.
Deixarei o tédio com tédio, para que não haja remédio.
Só pra ele aprender que quando eu o prendi aqui, comecei a me divertir.
Tou me acabando de rir....

2005
Duke Webwriter
Enviado por Duke Webwriter em 12/11/2006
Reeditado em 09/02/2012
Código do texto: T289333

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Duke Webwriter
Salvador - Bahia - Brasil
87 textos (5813 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:31)
Duke Webwriter