Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Livre

Naquele longínquo, fim de tarde
Percebendo no teu rosto
Uma desmedida alteração,
Com carinho disse: não é nada…
Apenas mais uma dor que não passa.
Palavras gélidas, duras e ásperas,
Que me enviaste, era o principio do fim,
Mas, subtilmente ouvi a tua censura
Que dilacera profundamente o meu ser.
Condenas-me pela dedicação que tenho por ti
Pelo meu egoísmo de querer ser feliz.
Desilusão, onde os sonhos e esperanças ruíram.
Pintava uma tela paradisíaca que transcende o silêncio,
Inundando o nosso ninho de amor.
Extasiada, deito-me em delírios febris,
Gritando ao vento: perdoa-me!
Sou livre! Quero voar e sentir a brisa
Como um beijo dado na fria aragem.

Isa Castro
Enviado por Isa Castro em 14/11/2006
Código do texto: T290986
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Isa Castro
Portugal
169 textos (11651 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 16:53)
Isa Castro