Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mergulho...

     O som borbulhante das ondas invade meu cérebro, como uma avalanche de idéias repentinas.
     Cintilantes movimentos ecoam na escuridão sombria da Mãe-noite,
fazendo-me percorrer deliciosos caminhos em busca de mim mesmo.
Um grito abafado me percorre todo o corpo; e, inda antes terminem
meus pensamentos de voar, estarei eu à mercê das flutuantes estrelas,
que se perdem no céu infinito.
     Refaço-me e transformo meus programas rotineiros em maravilhosas incursões dentro do meu ego, onde os cristalinos copos de vinho, aqui, são brindados em minha casa sem paredes concretas.
     Reflito sobre a melhor maneira de ser e descubro que mereço ser autêntico: autêntico nos meus rituais do cotidiano - um cotidiano macabro e sem belos-horizontes.
     Ah, pecado, embora teus olhos, neste momento, não me encontrem, eu estou aí, dentro de cada teu momento, presente na existência adolescente
dos teus desejos gulosos, enquanto os meus desejos perambulam, sonolentos, no destino insólito do próximo instante.
     Acredito fielmente nas verdades que idealizo e grito de peito aberto:
o destino quem escolhe somos nós!
     Os sonhos desvairados e cruéis transformam-se como miragens e eu, preso no inconsciente do teu sono, arremeto-me contra eles numa forma de mostrar que sou real: rei do meu trono sem pátria; pai das coisas que me saem pela mente, pela boca; sábio do idealismo poético, por acreditar na remissão das coisas omissas; irmão deste todo poderoso sentimento,
que um leigo profano ousou denominar amor; filho da água que nos purifica os prodígios mais ímpios e indissolúveis; o ventre da mãe tão amada,
cansada de ser objeto sem arte, escrava do seu próprio conformismo.
Mas orgulho-me de ser a própria vida, envelhecida em tonéis, através dos séculos, preparado para mais uma viagem de retorno ao seio do paraíso:
o indissolúvel e prepotente lugar perfeito...
     Sou, acima de qualquer suspeita, covarde para não ferir e herói das minhas convicções: fraterno na igualdade e desonesto na anarquia. Ao porto onde almejo chegar, viajo no silêncio de meus idílios, quando meus olhos se fecham e descubro o prazer do mergulho ao centro de tudo,
onde o louco faz sentido e onde creio mais.
     O meu doce mar, não se abala com minha insanidade, porque é sábio,
e se resguarda do mal em prol de sua recompensa derradeira. O céu e as estrelas sedentas são as inspirações psicografadas do meu passado poético, quando compus as previsões absurdas, que quase levaram-me ao fim.
     Sou enfim, quase tudo que me ofereço e, quando não mais me posso doar, as entranhas putrefadas da glória afastam-se temerosas, mas convictas de sua decisão irrevogável.
     E agora, no fim da caminhada poética, confesso, patético intérprete de vida vazia, que jamais vivi em mim.
Nel de Moraes
Enviado por Nel de Moraes em 29/06/2005
Código do texto: T29141

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site www.neldemoraes.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nel de Moraes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
407 textos (351737 leituras)
2 e-livros (297 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:20)
Nel de Moraes