Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

De tudo, um pouco.

Não direi das flores.
Elas, por si só, já significam vida, perfume, sentimento.
Direi do âmago exuberante
que ama, sofre, goza e irracionaliza-se.
De tudo, um pouco.
Daquele adeus que foi necessário
para que o espaço fosse oxigenado.
Da Lua cúmplice
que prateou a nudez da carne em chamas
Da água pura que lavou o despudor
como se o abençoasse.
Direi dos beijos
que atingiram píncaros
e saltaram abismos
desenhando na pele tatuagens mágicas.
Então, direi dos gemidos.
Dos sussurros, promessas e tratados.
De tudo um pouco.
Do explorar moroso
que explode a razão
esparramando odores para todos os lados.
E das juras eternas
que de tão belas,
aqueceram o sangue
fervilharam entranhas
deixando o coração sem sentinela.
E do pouco de tudo,
direi do amor que
acendeu a chama
com tal intensidade
que fragilizou a guarda
tornando presa,
confessa, a saudade...
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 20/11/2006
Código do texto: T296063

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
501 textos (25396 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:54)
Dora Leal