Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SUPERLATIVA (SEM MODÉSTIA)

E quando me denominam mulher solidão, humilde poeta, em meu íntimo eu sorrio.  Um sorriso sarcástico envolto no mistério que eu mesmo deixo transparecer.

A maior parte das mulheres como eu, é sozinha ou solidão de alma. Os homens não suportam a superioridade que exalamos.

Sou absolutamente linda, extraordinariamente inteligente, extremamente perspicaz, cruelmente fêmea, incrivelmente amiga, simpaticamente recebida.

Discuto e discurso sobre todos os temas, pois minha cultura o permite. Mas me abstenho de banalidades e não perco tempo com isso.

Sou o sonho de todos os homens e também seu pior pesadelo. Eles ainda têm na mente aquele perfil de mulher, sempre subserviente, sempre caída aos seus pés. E quando sentem que comigo teriam que trocar de papéis e transformarem em escravos, fogem como meninos assustados.

É como se fossem invadidos pela “síndrome do louva-a-deus”, e eles se imaginam devorados em sua inteligência, condição masculina e até mesmo corporal. A mulher completa, perfeita em sua essência passa a ser sua maior tortura e deficiência.

O que eles querem é uma perfeita máquina sexual, no máximo. Um corpo escultural (não importa de foi cirurgicamente construído), uma boa performance rebolativa na cama e que gemam bem alto. Como se isso os definissem realmente “homens”.

Mas diante de uma mulher inteligente e que domina a arte do sexo, se sentem como bebezinhos e brocham. Não somente o brochar físico, esse hoje é facilmente contornado com um remedinho azul, mas o brochar de homem que um dia sonharam ser. Que triste!

E eles vêm com o papo de muito areia pro meu caminhão! Areia? Eu? Sou é um oásis de paixão. Ele caminhão? Não estaria mais pra carro de boi?

Ah! Sinto que está com raiva de ler este texto. Verdade? Não seria talvez por uma total identificação? Bom, posso até dar um desconto e aceitar que os homens possam ser caminhões. Nem todos carregam carros de Fórmula Um...  Não esqueça daqueles do lixeiro.

Não. Eu não mudei a fruta que gosto não. Continuo sendo a mais voraz devoradora da fruta homem. É que a maioria tem casca e caroço, come-se a polpa e joga-se o resto fora!
                                                       Santo André, 21.11.06 – 16h30min
Enloucrescida
Enviado por Enloucrescida em 21/11/2006
Código do texto: T297440

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Enloucrescida
Santo André - São Paulo - Brasil
634 textos (89723 leituras)
14 áudios (2047 audições)
4 e-livros (1046 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:04)
Enloucrescida