Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ASAS PARTIDAS

A S A S  P A R T I D A S.


Cléa: D.W.


Minha muito querida amiga D.W. transferiste para o papel a incógnita de ti, organizada de forma inteligente atrás dos traços precisos no teu desenho.
Uma pintura em grafite, a negra revelação da dúvida.
Um confiteor da alma, numa projeção obscura dos subterrâneos do teu inconsciente.
Observando detalhadamente e com todos os cuidados o teu quadro com uma mente aberta, sem um juízo formado à priori:
 Vê-se nele, uma apoteose da tua vida, o mundo não compreendido da tua alma, revelado de forma abstrata e inconsciente pelas tuas mãos lindas e boas.
Foi o que identifiquei nos traços ousados, uma insegurança constante.
Nessa pintura, uma verdadeira fotografia virtual do teu Id profundo, tu dás realce e destaque concebendo em primeiro plano, uma espada que está cravada no teu interior como sinônimo de poder e escravidão.
Talvez seja a projeção do arquétipo a “sombra”, que resolveu sair da inconsciência para a consciência.
Quem sabe, não seria melhor tu consultares o Dr. Carl Gustav Jung?
Ele que me perdoe lá da sua tumba, mas eu vou continua essa psicanálise.
É a espada fria que subjuga, mata, fere, é o aço frio sem sentimentos.
E, quem subjuga, impõe, escraviza, deturpa, amarra, tem conseqüentemente em si o poder.
Tu és um pássaro ferido que voas no infinito oceano da dúvida.
O pássaro é a tua alma, representado subjetivamente nessa pintura com as asas partidas pelos desenganos, pelas amarguras e pela descrença em ti mesma e na vida.
É o fantasma da infelicidade, todavia, observa-se que esse mesmo pássaro voa, ou melhor, se dispõe a voar em linha reta.
Em direção à segurança, à perfeição, à luz, à vida, em suma, em direção do próprio sol.
É o que está exposto na pintura egocêntrica.
Quem voa, de certa forma, é inseguro, mas também ao mesmo tempo tem ânsia de domínio e de poder e, por fim, cria objetivos firmes para vencer-se.
Abandona a espada do teu inconsciente, ignorando-a.
Ela fere também a tua alma, então, alça vôo ao infinito, em busca de ti mesma.
Tenho necessidade de ver essa pintura como indivíduo real, não como uma manifestação subjetiva.
 Eu tenho a impressão de que nela, encontrarei detalhes de suma importância, para culminar esta análise com um índice baixo de desacerto.
 Talvez, eu tenha que te submeter a um exame psíco-clínico mais técnico.
Existe uma distância, não uma distância que se possa aferir, mas um afastamento, uma indecisão entre o pássaro a espada e o sol.
Há, contudo, uma esperança, uma energia que envolve o pássaro, direcionando-o para mais perto do sol.
É uma vontade intuitiva, uma atração não compreensível que, por certo, fará desse vôo um caminho sem derivação para o rumo novo, o sol.
Meta metafísica, entretanto, nota-se neste adejar um esforço sobre-humano, uma vontade inabalável de retidão, muito embora, tenha as suas asas partidas abertas à dor.
O reconhecimento humilde é a performance própria de quem têm as asas feridas.
Esse pássaro doente, mas sobremaneira valente, tem na sua desdita e dor, o poder somente dele mesmo.
Ferido no que lhe é mais caro, as asas, ainda detêm o encantamento, a meiguice e o reconhecimento da fraqueza.
Isto é mais do que nobre.
Não sou o sol imaginado na tua pintura, não estou tão alto, não brilho com tanto fulgor.
Entretanto, é bom que esse pássaro saiba que tenho muito amor, equilíbrio e muita segurança para dar-lhe sustentação nesse seu vôo ousado, para que possa conquistar o seu próprio sol.
O poder de receber esse pássaro ferido, que voa para um destino quase incerto, poderia ser meu, se não fora os fortes ventos que hão de soprar contrários à sua direção, dificultando o seu pouso futuro, se resistir até lá.
Fui ao Executive-Bar, não estavas lá, conforme havíamos combinado para tomar um vinho.
Um convite teu, esperei e senti saudades tuas, tomei dois Natus-Nobilis e fui embora.
Sonhar com um pássaro ferido, com uma espada fria e cortante.
E, com o infinito vácuo da tua alma, acalentado com os raios do teu sol, adormeci.
Sonhei e vi um pássaro ferido de asas partidas, pousando suavemente no seu próprio sol.

Eráclito Alírio






Eráclito Alírio da silveira
Enviado por Eráclito Alírio da silveira em 22/11/2006
Código do texto: T298060
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eráclito Alírio da silveira
Imaruí - Santa Catarina - Brasil, 74 anos
889 textos (135296 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:51)
Eráclito Alírio da silveira