Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DÁ-ME TEU COLO, MEU AMIGO!

             
Sempre que busco a poesia para te traduzir, meu amigo, acho minúscula a inspiração que me guia para alcançar a grandeza de tua essência, sinto-me pequena para desenhar a delicadeza de teu generoso coração. E, se conheço tão particularmente a tua voz, invento e recrio tua imagem com as asas de minha fantasia, transformando-a em um doce camaleão capaz de travestir-se conforme o passeio de meus pensamentos.

Às vezes, percebo-te ao fundo de meu espelho, olhando-me com carinho, sorriso brejeiro e sinto que a tristeza devagar se afasta para dar-te espaço. Vem! Aproxima-te e penteia com afeto meus cabelos lisos como se fosse onda e brisa beijando a areia branca. Sou praia deserta, és mar sem fim. Beija o branco que em meus cabelos se anuncia e torna mais leve as marcas de minhas lidas, algumas tão cansativas...

Leva-me, entre teus braços, para passear sobre a relva de teu quintal, descansar à sombra das árvores que plantaste, quero ouvir o canto dos pássaros que te visitam, beber água fresca do poço, molhar-me na chuva benfazeja que  refresca o verão e alimenta tuas flores.

Empresta-me, uma vez mais, teus ouvidos para escutar as confissões de minha vida que se localizaram na periferia dos desejos não realizados, das fantasia mortas. Quero contar-te da angústia que me acompanha quando tranco a porta de meu quarto para conversar calma e tranqüilamente com a solidão. Senta-te comigo à beira da cama, toma minhas mãos e aquece-as, fazendo-me saber que viver pode ser ato compartilhado.

Deixa-me pousar o olhar perdido em um cantinho de tua alma, ofereça-me teu colo, finja que sou menina e leia-me as tuas histórias para acalantar meu sono. Dá-me teu colo protetor e assegura-me que os pesadelos não me alcançarão quando o brilho da noite apagar-se, que as brumas não povoarão os caminhos do amanhecer. Revela-me que o medo é mentira inventada para tentar nos impedir de enxergar a felicidade.

E, se me permites ousar, libero minha libido para sentir teus dedos acariciarem os meus sentidos, a despertar a mulher adormecida, uma mansa fera que não se sabe, se desconhece...

Ah, meu amigo, dá-me teu colo de pai, de irmão, de amante!

vitória Paterna
Enviado por vitória Paterna em 27/11/2006
Reeditado em 27/11/2006
Código do texto: T302470
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
vitória Paterna
Santo André - São Paulo - Brasil, 63 anos
133 textos (8673 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:27)
vitória Paterna