Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM POUSO DE MENINA.

 

 

 

                                        Faz um bom tempo transcorrido do nosso primeiro encontro, eu sei que tu não lembras, mas eu saudosamente o lembro muito bem. Por que haveria de não lembrá-lo?

O dia estava levemente frio e o céu se postava levemente alegre, limpo e azul como se fosse um dia de festa. Pois era o dia do nosso primeiro encontro, haja vista, tê-lo combinado para aquele dia. (17-05-1994).

Encontramos-nos num saguão e não era o de um aeroporto, no entanto, era ladeado de salas envidraçadas e bem iluminado. E havia também uma sala VIP que te aguardava e nela estavam a postos técnicos devidamente paramentados de branco. Eles estavam preparando a tua súbita chegada.

Foi um pouso perfeito cheio de sucesso e muita alegria, apesar de no saguão encontrar-me normalmente nervoso, apreensivo com o teu choro novo, na verdade, um grito profundo para a vida e para o mundo.

Vi-te pela primeira vez, estavas deliciosamente nua, (safadinha), e a inocência total era a tua única vestimenta, trouxeram-te ante os meus olhares e, envolvido por ti, amei-te no primeiro olhar. Eu te juro menina foi um amor à primeira vista.

Cheio de ternura e orgulho eu vivo embriagado por aqueles olhinhos pretos, orientalmente repuxados e brilhantes de espanto, tudo para ti era novo e inédito, até eu mesmo o íntimo causador da tua bela chegada e, daí para frente, esperava tão somente o dia em que me chamarias de pai.

Desde esse dia em diante fiquei perdidamente apaixonado por ti e, assim, hoje acredito no amor à primeira vista, por isso, te elegi a minha eterna namorada.

Nosso relacionamento foi bom e prazeroso durante certo tempo, era o de quando vivíamos juntos no dia-a-dia sem nos afastar, sequer um instante, era uma doçura estar sempre ao teu lado.

Agora, já se impõe certa distância entre nós, contudo, continuas junto a mim de uma forma fantasiosa de lembranças e de uma saudade que não se extingue.

Não sei até quando continuaremos assim, juntos, rogo a Deus que seja para sempre, mas o tempo fluirá e dentro em breve tu serás uma bela mocinha e procurarás outras companhias: amiguinhos, amiguinhas, e aí, me vejo futuramente só e mais envelhecido.

Eráclito Alírio

 

 

 

 

Eráclito Alírio da silveira
Enviado por Eráclito Alírio da silveira em 27/11/2006
Código do texto: T302647
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eráclito Alírio da silveira
Imaruí - Santa Catarina - Brasil, 74 anos
889 textos (135228 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 13:46)
Eráclito Alírio da silveira