Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A última canção

A última canção




O menestrel pouco cantou, apenas com seu instrumento de cordas sorriu e disse:
 
 - Fui expulso do mundo, não há espaços capazes de concretizar minhas trovas.
Se eu dedilho uma epopéia não passo de um triste vagabundo.
Nos papéis soltos, exercito a redondilha menor, alguém grita:
  - LOUCO, já tem a medida nova.
Meu instrumento perdeu a voz, tímido na calçada.
Das trovas farei barcos e partirei no oceano lilás.

Cansado do próprio teatro entre sorrisos sem graça, o menestrel se sente sozinho, não quer mais ser nem pensar, porque o faria, se a terceira margem do rio, distante de tudo, não reage aos impulsos da sinapse, tornando o tempo presente dele um buraco sem fundo.




Jane Krist

















(...) Pato Fu – perdendo  dentes


Acho que eu fico mesmo diferente
Quando falo tudo o que penso realmente
Mostro a todo mundo que eu não sei quem sou
Eu uso as palavras de um perdedor

As brigas que ganhei
Nem um troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei

As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci



(...)
Jane Krist Coffee
Enviado por Jane Krist Coffee em 27/11/2006
Código do texto: T302991

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Jane Krist Coffee). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Jane Krist Coffee
São Paulo - São Paulo - Brasil
503 textos (67743 leituras)
1 e-livros (1205 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:54)
Jane Krist Coffee