Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O entardecer...

Quando a tarde desce,
Dou-me conta de ainda vivo.
Cheguei da viagem
E estacionei meu carro-alado
No quinto dos infernos.
Sinto-me mais calmo
Apesar dos contratempos
Que de tempos em tempos
Induzem-me ao ápice do ridículo,
Círculo vicioso
Perigoso e marginal.
Sou animal ao buscar,
Nas entranhas do universo,
O motivo d’inda ser.

“- Viva!
Viva sempre confiando em sua mente
que é jovem
nada burguês
mero freguês
desse caos sem fim.”

Almoço meu pão com pão
Sentado no chão
Embora tão frio
Transmuta em calor
Esse estomago mecanizado
Como um pedaço de engrenagem enferrujada
Nessa rotina macro-destruidora e corrupta.

Procuro por você
Perdida num pedaço qualquer de papel:
“Este não!
Este também não...
Essa não!
E então, onde andará você?”
Achei!!!
Não. Falso alarme.
Quem sabe te acho no lixo!?
No luxo eu sei que não está.
Aqui...
Ali...
Acolá...
Ora viva!
Achei Alá!
Lá também não está!

Ainda assim,
Pateticamente,
Eu ouso o edito
Tenho fé e tenho dito:
“Proclamo
à deusa que clamo
o quanto te amo
Ó mulher do meu descalabro!
Nel de Moraes
Enviado por Nel de Moraes em 02/07/2005
Código do texto: T30369

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site www.neldemoraes.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nel de Moraes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
407 textos (351740 leituras)
2 e-livros (297 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:46)
Nel de Moraes