Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESCONHECIDA MULHER

DESCONHECIDA MULHER.
- Glauci -



Oh mulher! Por que eu não te encontro se caminho todos os dias pelas ruas vazias e, mesmo assim, eu não te vejo passante. Aonde tu te escondes?
Quero crer que és camuflada, não conhecida, todavia, tenho a certeza da tua existência, pois o meu coração está desassossegado, e a tua existência é um mistério envolto não sei por qual magia, mesmo assim eclipsada hei de te encontrar.
Cada poema que escrevo é como se fosse para ti mulher desconhecida e, quando remeto alguns, também é como se a ti fossem dirigidos.
Nos poemas que componho voam um pouco de mim e, de uma maneira ou de outra, representam um bastante de ti. Oh mulher desertora!
Não os quero assim sem endereço certo, quero que seja como flechas ligeiras para atingir o teu coração por inteiro, o meu alvo preferido.
Continuo te esperando no mesmo lugar onde estiveste ocasionalmente, (no meu monitor) tenho sonhado com a tua presença e ela se realizou inesperadamente.
Agora é necessário que eu te encontre, pois o destino está te empurrando para mim. Espero com o coração quebrado esse inevitável e magnífico encontro.
Não quero me demorar muito nessa ansiedade, necessito do teu sorriso como se fosse uma alvorada de verão na minha vida, cansada e triste.
Levar-te-ei como uma cesta de amoras em minhas mãos, e assim, ganharemos as planícies da paz, do amor e do bem querer.
Este poema já existia mesmo antes de saber da tua existência, hoje, apenas faço uma adaptação porque há indícios de realidade nos meus sonhos, pois tu o fizeste ressuscitar de novo.
Nos meus sonhos tu vives de forma constante, embriagando-me com as inspirações que procuro exprimir nos meus poemas com muito amor e indizível ternura.
É como se fosse uma procura desesperada que, ao mesmo tempo, me traz uma inquietude de espírito pela dúvida que me cobre em saber se ainda sou capaz de amar e de ser amado.
Quero exercitar essa virtude dos mortais, a virtude de amar, mas não tenho a sorte que mereço nessa troca de sentimentos.
Amar é uma necessidade humana, necessito urgentemente amar alguém para preencher o meu existencial e me sentir realmente amado.
Os dias andam sempre iguais a se repetirem, assim aguardo a tua manifestação para, romper com essa monotonia que se atracou em minha vida fazendo a sua moradia teimosa.
Tu és o meu sonho e os sonhos são prenúncios de realidades, quero que tu sejas a minha realidade palpável, visível e tudo o mais.
Sonhar é acordar-se por dentro, e eu permaneço acordado te esperando na plataforma da vida ou sempre presente no meu PC que te acolhe com impulsos eletrônicos.
Quero-te real para que possamos ser uma realidade eterna e inseparável.

Eráclito Alírio



Eráclito Alírio da silveira
Enviado por Eráclito Alírio da silveira em 30/11/2006
Código do texto: T305565
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eráclito Alírio da silveira
Imaruí - Santa Catarina - Brasil, 74 anos
889 textos (135325 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 03:50)
Eráclito Alírio da silveira