Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Espera

Espera. Tira teus olhos da minha mão que ainda não sei o que fazer com tudo que escorre dos meus dedos pingando interrogações. Reflexos. Sempre reflexos abrem espaço para coisas visíveis entre lâmpadas de sessenta wats. Ouve. Nenhum barulho interrompe meus pensamentos. Abre a boca. Não grita minhas palavras que já não alcanço nenhum entendimento que possa transformar cartolas em mágicos dias sem noites para atrapalhar. Isso. Devagar.  Revolve os olhos e blasfema minha lucidez de livros escritos à séculos  jamais lidos em outra língua. Vira. Cansei dessa posição. Cuidado. Algo penetra dolorido nas rimas que guardei para mostrar depois do cigarro. Vai. Pinga tua alma desfazendo tua carne sobre a minha.  Mais. Rasteja meu corpo cobra enredado em pernas e não esquece de gemer de vez em quando. Quase. Lembranças ainda brincam na minha pele de querer sentir quase igual como nunca e não vejo mais teus olhos. Vem. Já rouca tento gritar as novidades que galopam nos travesseiros enquanto busco rimar tua boca na minha. Agora. Câmera lenta roda nossas cabeças perdidas em qualquer ponto cheio de estrelas e luas e alguns planetas meio fora de órbita. Chega. Enquanto a brasa queima o resto que não aconteceu vira teu corpo e apaga da memória tudo o que teimou parecer. Foi. Só ilusão.
Paula Cury
Enviado por Paula Cury em 05/07/2005
Código do texto: T31419

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Paula Cury
São Paulo - São Paulo - Brasil, 47 anos
114 textos (8472 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:32)
Paula Cury