Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

2005 está sendo um ano ruim

              No meio da tosse, dos prédios vermelhos, das barracas de maçã e das buzinas dos automóveis, a vida parece uma sinfonia eletroacústica.
A Terra está dando voltas ao redor do eixo de outros planetas, mulheres recebem o prêmio Nobel pela inteligência de suas bucetas. O ar é cruel. Agora todos os dias são quentes, mas meus pés continuam gelados. Rimas se constróem e desconstróem nas sentenças. Pessoas ajoelham e pedem misericórdia à pobre mulher que não come ou bebe há dez dias. À pobre mulher que há quinze (ANOS) está em coma, que não sente nada porque metade de seu cérebro virou pasta como aquela que a mantém viva pelo tubo alimentar.
Somos nós que sentimos fome.
Somos nós que estamos surdos porque não aguentamos mais ouvir nossa própria voz falar besteira o dia todo e continuar falando em nossa cabeça quando estamos calados.
Somos nós que furamos nossos olhos, somos Édipo que não morre, mas sim vive de culpa até o fim dos dias infinitos.
Somos nós e nossos mapas, bússolas, GPSs, rastreadores, somos nós e os satélites, tentando achar a nós mesmos.
Somos a formiga perdida no Pólo Sul, que não sabe como foi parar lá, mas sabe que não conseguirá achar seu formigueiro antes de morrer congelada.
Somos nós e, quer saber, ninguém se importa, somos formiga e mulher morta, somos a alface doutora em álgebra, somos nós, sozinhos e sonolentos, somos a rima que se perdeu, de novo: somos polvo, pólvora, pensamento.
Dawn
Enviado por Dawn em 18/07/2005
Código do texto: T35410
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dawn
São Paulo - São Paulo - Brasil, 32 anos
19 textos (978 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:34)