Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A FALA DA CONFRATERNIDADE

(aos 40 anos das Casas de Poetas)

É sempre assim. Quando converso com alguém ou me fixo em algo que faz parte do universo afetivo, palavras são lenços acenados no cais da saudade. São estandartes de vida, ânimo e coragem, mesmo que contenham o gesto líquido das pálpebras. É o templo dos abraços. Nunca cabem numa única mão. E esta entrega absurda ao universo do outro não ocorre por acaso. Há imensas provisões de ternura nos insondáveis guetos do coração e no palatino da memória. Estas – que as tenho em mãos agora como uma bênção – balbuciam como a Pátria, só sabem amar. Extasiar-se é sua missão. Basta abrir a aura e permitir o toque. Ah, esses meus irmãos poetas, cavalheiros do abandono, das coisas e dos inferno!

– Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 17.
http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/35911
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 19/07/2005
Reeditado em 05/07/2011
Código do texto: T35911
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709721 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:18)
Joaquim Moncks