Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Óh alma de minh'alma, só não te esqueças...

Óh alma de minh’alma, não escarneças sob a pele. A pele que te envolves na beleza e que a lembrança enegrece.
Não te olvides da conversa de sublime natureza, que no inconsciente do hoje, então,  entorpece.
Meus gritos mais exatos reverberam em teu subjetivo, no anseio de reencontrarmo-nos sãos e amenos.
Encontras-me, pois, pelos olhos saudosos de onde jorram lágrimas de amarguras e jubilosas reminiscências, e digas, se ao ver-me livre de meu lamentável antes, não te darias alguma coragem de fazer-nos um deleitante depois?
Ah, não te esqueças de quem fraqueja no entardecer, quem suplica à esperança no renascer.
Perdoas a pequenez de outrora e não te revoltes pela possível incerteza. Porém, sei que de entrelaçados caminhos há pontos de plena convergência.
Bendito e mofino este esquecimento, que por misericórdia causa-me medo e encanto. Mas arrojo minhas rezas ao relento, quem sabes não te acalentam um tanto?
Óh minh’alma doce, cândida e quase intangível, encontrar-te-ia para dizer tão somente que... não te esqueças, por gentileza, de quem tanto te lembra.
Juliana Pereira
Enviado por Juliana Pereira em 09/01/2014
Código do texto: T4643445
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Juliana Pereira
Bauru - São Paulo - Brasil, 25 anos
64 textos (1386 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 02:53)
Juliana Pereira