Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dia e noitre

 Reclamo das palavras
Salpicos de areia aos teus olhos
 Tropeço nas letras Como tu cais sobre as pedras que imponho à tua vida...
 Papel sem caneta Esgrima sem espada
É assim que nós somos
Assim nos entrelaçamos e nos abandonamos quando a noite encadeia a nossa voz
Somos um todo Que difere em cada entoação mais forte
Um todo separado e cortado em cada olhar mais demorado... Terminamos como duas pombas brancas Voando no horizonte em estados de lucidez Terminando na cama em instinto animal de loucura...
São estes os nossos dias
Destinos distintos
 Doentias as madrugadas Que nos cobrem o corpo e nos perdemos no mesmo voo... Mesmo quando o dia nos teima em rasgar os corpos e desvia-los do mesmo rumo.
Joana Sousa Freitas
Enviado por Joana Sousa Freitas em 09/09/2005
Código do texto: T48939
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Joana Sousa Freitas
Portugal, 40 anos
118 textos (7241 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:10)
Joana Sousa Freitas