Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"Tanta lágrima y yo soy un vaso vacío"

“Tanta lágrima y yo soy un vaso vacío”
Por suposto estou do outro lado de um rio.
Remo! E remo contra a corrente.
Faço força. Mas, à frente há um grande vazio.
 
Esse, não é o rio da minha aldeia.
O rio da minha aldeia é como uma veia aberta.
Sangra sua água doce e mata minha sede.
Nele mergulho e é sempre o mesmo mais uma vez.

Nesse outro rio, remo como o barqueiro rema.
Levando almas, trazendo nadas.
Nesse outro rio sofro; pago minha pena.
Que não é capital, posto que é eterna.

Esse, não é o meu rio; grande e do sul.
O meu rio, grande e do sul, é largo; lago.
Mareja, venta; revolta-se encarnado como espelho.
Há luz do outro lado desse meu rio.


Nesse outro rio, quase tudo está perdido.
Quem se acha? Quem se procura? Quem pergunta!
Nesse outro rio me acabo; desapareço.
Que é um mergulho só, posto que nunca mais voltarei
CESAR CABRAL
Enviado por CESAR CABRAL em 13/09/2005
Reeditado em 14/03/2007
Código do texto: T50006
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CESAR CABRAL
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
222 textos (28959 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 15:02)
CESAR CABRAL