Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem sentido



Despertar com o nascer do sol
O fulgor da manha de outrora
Perdida entre montes e vales
Caída no teu universo das coisas
Tempos que acreditava eu nas palavras
na ausência da razão
Nos objectos, nos seres, no mundo dos segredos
Acreditando na mentira infinita
Aquela que está em constante mutação como a terra
Na ausência de valores
Que me arrecadavam e roubaram o coração
Nesta monotonia e melancolia a que me atiraste
Solidão da verdade
Que se distingue na disputa entre o meu e o teu poema...
Não há nada que te confesse
Que me desperte ao alvorecer da madrugada
Não há nada que acenda os candelabros antigos da rua
Que me adormeçam lentamente ao saber das marés
Não há nada que me traga de volta
Me regresse
Me encante
Me eleve
A este momento disperso e vazio que eu morro lentamente
Ao som do teu silêncio
Em que nada faz mais sentido
Joana Sousa Freitas
Enviado por Joana Sousa Freitas em 14/09/2005
Código do texto: T50425
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Joana Sousa Freitas
Portugal, 40 anos
118 textos (7239 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 08:08)
Joana Sousa Freitas