Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Sobrevivência do Homem-Deus



Whitman (o poeta da meia-noite, do sono, da morte e das estrelas, que se autoconsiderava uma espécie de deus libertador americano, contrapondo-se às tradições, que para ele eram coisas mortas, fria argamassa e tijolo), aquele que não necessitava de nenhum ídolo que não fosse ele próprio, é considerado o centro do cânone americano.
“Não posso conceber nenhum ser mais maravilhoso que o homem”, dizia. E ele nos impressiona, sobretudo, ao lançar um grito eterno e metafísico para o futuro, um sonoro e alto brado à procura de ouvidos seculares que pudessem ser os próprios, preparados ouvidos para o murmúrio poético, metafísico e ardente:
“Cheio de vida, hoje, compacto e visível,
Eu, com quarenta anos da idade no ano oitenta e três dos Estados Unidos.
A ti, dentro de um século ou de muitos séculos
A ti, que não nasceste, te busco.
Estás lendo-me. Agora o invisível sou eu,
Agora és tu, compacto, visível, o que intui os versos e o que me busca,
Pensando o feliz que seria se eu pudesse ser teu companheiro.
Sê feliz como se eu estivesse contigo. (Não tenhas demasiada segurança de que eu não esteja contigo).”
Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 16/09/2005
Código do texto: T50939
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
366 textos (87991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:41)
Nagib Anderáos Neto