Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PAPEL DE SEDA

Acordei em cinzas depois de uma noite embriagada com lembranças e lavada por ondas. Tremi o frio das culpas sem conseguir identificar as razões. Entrecortada, acho que a lucidez me torturou com os fantasmas de todas as inseguranças e me condenou as fúrias dos atos passionais.
Encontrei-me no parapeito de uma janela interrompida, quase uma empena cega... Um olhar triste que se recusa ao espelho e que intimida as palavras. Lábios trêmulos tentando se equilibrar no mundo... Motivos que se perderam para sempre numa fumaça difusa na madrugada e que não poderão ser recompostos no conteúdo do mesmo papel de seda. Gostaria de não me submeter aos vaticínios e corromper as afirmações...
Permaneci em silêncio em busca de sua presença. Desejei ter a certeza da realidade e me apropriar das aparências da fumaça se caso pudessem me trazer o riso e a transparência imaculada da primeira dobra do papel de seda, quando senti na alma a alegria de te ter ao lado.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 24/09/2005
Código do texto: T53436
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (790116 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:28)
Helena Sut

Site do Escritor