Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÚLTIMO ATO

Último             ato
E então
Fecharam-se     as   cortinas

Mas    ainda     se escutam     os    prolongados    aplausos
A ovacionar          aquele      singular     artista
A que  a todos     procurou tanto     a agradar   em sua    performance

Alguns              vaiam
No     oculto      de    su'almas
De     seus    corações
Ah,        seus      hipócritas       corações
Na verdade              uns     poucos
Quem sabe,       não seria             por inveja?           Invídia?
Ou seriam    juízes    do intérprete    sem  que ele  porém    o soubesse?

Dividida          platéia!
E    o     que    não   é     dividido?     Fragmentado?   Separado?
Realmente!
Com toda      a    certeza:
Não   se   pode         a     todos        agradar

E o     público        se    retira
Também      ele      se despede       daquele      anfiteatro
E       finalmente      os holofotes       se    apagam
Silêncio     absoluto      no   recinto

A que o protagonista       igualmente      sai    de   cena
E        retorna       ao seu          camarim
Aquele        místico       e      mágico     canto
Que     o    transforma   e o esculpe
No   tempo     de sua       cena
Em   seu            vital              personagem

E assim         retira ele  de     su'alma     toda     a       maquiagem
Toda     sua       fantasia
Jogando      para     o   alto    o    seu   script     o   seu  roteiro
Já não mais     precisa     dele
Agora        resta       apenas       ele      e    somente      ele
Despindo-se   calmamente    dos instantes breves  de      sua     peça
E    aos poucos vai   se       tornando        uma     pessoa     comum
Voltando-se       ao    pó    de     que     foi     feito
Igual      aos incontáveis      anônimos     do     caótico     mundo
Prisioneiros do      tempo     que     a todos     devora
Inexoravelmente        sem nenhuma     piedade
Sem       nenhuma       compaixão

E      assim    já não se é     mais         Deus
No período      em que     o    foi
Teria    então      se     cansado     de      ser       Deus?
Teria      se    cansado    de      ser    Homem?

Mas       é hora de       voltar       para     a     casa
A glória      cede lugar      à      rotina
Do saboroso     sono     que     se     acorda      e  desperta
Embora       sem      o     desejar

Contudo,      seu       corpo      pede     repouso     descanso
Não pode,        pois      prolongar
Cansado      ele      está
Muito     cansado
Na verdade,       exausto
E    como     ele       está

Mas    como     foi      bom     aquele       momento!
Todavia        é      hora      de    ir
Ou      melhor,   é    hora     de   voltar
Para   casa
Paulo da Cruz
Enviado por Paulo da Cruz em 12/10/2017
Reeditado em 16/10/2017
Código do texto: T6140302
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo da Cruz
Curvelo - Minas Gerais - Brasil
1221 textos (18874 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/17 22:27)
Paulo da Cruz