Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A magia do amor

A magia do amor

Existem palavras que nos levam para profundas reflexões, e entre todas elas encontrei a palavra amor. De todas as classificações desta palavra, o que me desperta não é o fato de ser entendida como um suporte do sexo, ou uma rica variedade lingüística e gramatical; formas técnicas, frias, lógicas. Mas, o calor que me desperta, só de pensar sobre a profundidade do significado e do poder desafiador.
     Vejamos, Dizem que o sexo é amor. Mas tenho aprendido que o sexo é um complemento perfeito do amor. Gerando frutos saudáveis como: família, felicidade, alegria, paz. Na verdade o amor e o sexo formam uma mistura heterogênea. Estão juntos e às vezes não se vê a diferença, porém com o calor, a alta temperatura da vida, faz evaporar e então se vê a separação. O amor só é homogêneo com a razão, então não há aquilo, ou aquele que possa separá-los.
     Às vezes, o sexo fere a natureza Ignorando o amor. Desta forma o divórcio se torna seu maior aliado. Neste mundo contemporâneo existem várias classificações do sexo, focaremos estes: sexo educado, sexo domesticado e sexo forçado.
Todos os praticantes declaram ser o próprio amor; com certeza, no ápice do fogo, falam sempre “antes” e “durante”, porém poucos, diante do término da explosão, o desvanecer do corpo, conseguem declará-lo “depois”, e somente a minoria esmagadora, diante da sobra da rotina, declara “eternamente”. O leitor é inteligente e sabe qual a classificação mais saudável, pois diante do fato que o amor nasce do entendimento, por habitar em todos os corações, mesmo para aqueles que lutam por negá-lo.
     O amor cansado, vencido pela rotina, entediado e fracassado; nele o que se percebe é uma cegueira, que a ambos domina. Cego desvia-se do rumo certo, anda perdido em suas diversas direções. Primeiro, ele se extrema para santificar o ser amado, por isso não o estimula da forma ensinada pela natureza, pois segue as tradições com seus tabus. Segundo, ele se torna  extremo e busca profanar o ser amado, pois entende errado a natureza e esgota fisicamente, violento, provoca escoriações, e o deixa carente, não de sexo, mas do sentimento que na verdade desconhece. Este, também, cego caminha, errante e em várias direções. Primeiro, este profanador consome sem escrúpulo, seja quem for, ou como for. Segundo, vítima de si mesmo adoece sem conseguir satisfazer o ser passivo, que o espera.
     O triste fim é quando ambos seguem caminhos diferentes, e nunca acordam. O amor fica platônico e o sexo vira apenas uma tara. Porém diante da morte o sexo se curva diante da sua futilidade, então entende que precisa do amor. Da mesma forma o amor, ao ler o registro de sua história, entende que sempre precisou do sexo, para expressar a importância da entrega.
     Para coexistirem o sentimento, a sensação e o verbo, onde neste texto são visto com vidas próprias, chega-se a conclusão que o amor é a Cabeça, a qual precisa de um corpo. Estes tão quantos nobres, tendo o corpo, simbolismo do sexo, o qual também precisa do amor, para ter sucesso. Em uma harmonia Divina os dois se encontram. Por isso o sexo, que neste texto ganhou vida, não tem a razão, mas uma explosão de sentimentos, desta forma não se arrepende. Ao contrário, o amor sempre tem a razão, tem o controle de todo sistema, assim valoriza o êxtase e age controlando tudo, dando a direção do prazer de forma magistral, razão, arte, prazer, humano e animal. É o milagre da existência humana.
      Mesmo diante da morte, quando a velhice lhe tira as forças, o amor encontra vida. Assim se entende, que quando dizem que o amor e o sexo são temporários, e que o sexo é apenas uma mera excitação, desqualificando inclusive a paixão. Tais teóricos nunca experimentaram o vôo da águia, que tem a catapulta da paixão mistificada pelo amor exacerbado, mostrando, numa linda figura, que estes são um maravilhoso fanatismo, uma gostosa idolatria, uma excitante doença, em que, quem a experimenta, não quer a cura.

Jair de Oliveira
Enviado por Jair de Oliveira em 25/08/2007
Código do texto: T622678

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jair de Oliveira
Corumbá - Mato Grosso do Sul - Brasil, 56 anos
154 textos (6650 leituras)
3 áudios (85 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 20:00)
Jair de Oliveira