Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nudez (VI) Nascer

Nudez (VI)

Nascer

Nascer. Sem bordas para se agarrar, sem cordão umbilical, uma nova forma de ser. Ser humanamente só, humanamente acariciado pela vida que é. Pela dor que é. Nascer é criar. Criar-se. Nascer é aprender, morrendo um outro estado, um outro estágio.

Um grito... berro!
Água, energia, lágrima, ar abrindo o peito, e frio, e fome.

Se tiver sorte quem nasce logo ganha um nome, um peito, um colo afável, e logo vai se vestindo de mundo, de horizontes, e cegueira também. E será a sorte este codinome: ser cuidado, ser amado.

Se tiver sorte, um dia descobre a poesia, outra que não aquela de estar vivo, ter nascido, mas aquela de conseguir ver com olhos novos, livres, a nudez do calar-se, ouvindo alguma coisa parindo dentro de si, sendo. E será a sorte este codinome: Liberdade.

Nudez ao nascer é abismar-se no mundo. Difícil nascer todos os dias. Mas há quem desmonte, por momentos, tudo isso, e espante-se.

By Tânia Barros
continua no (VII)


TB
Enviado por TB em 22/10/2005
Reeditado em 29/10/2008
Código do texto: T62402

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite nome da autora, país, Estado, e e-mail. Também deverá enviar para brazil_dos_livros@hotmail.com - dia e endereço de publicação do texto para consulta da mesma e verificação do conteúdo.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TB
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
54 textos (45374 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:45)
TB