Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SÓ MESMO O AMOR!

A sair debaixo da cama com o castiçal na mão
A segredar minúcias escusas e limpar a boca
A morrer sentindo o olor da teia que assanha
A desmerecer os versos plácidos devolutos.

Só mesmo esse céu
A impor ao mel, a noviça do espelho
Ao pudor sem léu, uma navalha sentida
Que corta da cisma a garganta e sobe às paredes.

E eu a tentar compreender!
Armar as tramas com os cadarços do tempo
Soprar o lume e desvanecer ao vento
Vociferar rotundas vozes ao colchão mais cego...

Só mesmo este pijama
A deitar em mim, a vara impiedosa da vida
A depor-me lendas ao sobejar matutino
A transpor os mistérios que da alma saltam.

Só sendo esta cor
Abrupta flor que mascara do pássaro a dor
Que rasga a seda bruta no ocultar noturno
Pelo qual, todos os dias, prezo, rezo e gozo.

Só mesmo o amor
Que tenha sempre este ardor
Que arfe sempre esta cor
Mas, que de nenhuma sorte, me seja indolor.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 06/09/2007
Reeditado em 13/05/2008
Código do texto: T640975

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
732 textos (34292 leituras)
1 e-livros (249 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 04:12)
Cesar Poletto