Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
"Afloração"

Não escrevo encomendas, não há prazo em meus escritos, o que há, pura e simplesmente, é a exclusão daquilo que evolui dentro de mim: a minha busca, o meu “descobrir”. E quando chegado o momento, certamente estagnarei. Estagnar é morrer, e eu não pretendo me descobrir tão cedo, há muito que da vida sugar.

Quanto ao significado daquilo que escrevo é pra mim disperso, outrora fora importante, hoje não mais! O que escrevo: leio, releio e depois adormeço. Não busco um leitor que se encontre em mim, eu busco a minha afloração.

Quando pequena tinha o hábito de assistir ao desabrochar de uma rosa (acho que é por isso que gosto tanto de rosas, mas não rosas dadas sem amor). Ficava curiosa para vê-la acordar bela, toda imperiosa. O processo era lento, mas belo. Quando a primeira pétala se abria, eu sentia dor. A dor de vê-la surgir para a vida, deixando no passado a sua outra forma e isso me entristecia. Depois de tornada rosa adulta, eu a acolhia em um vasinho de cristal, mas ela sempre morria. Quando me tornei adulta, perdi por completo a paciência de cuidar de qualquer planta. Talvez tenha sido trauma, por nunca conseguir cuidar de um botão de rosa.

Mas, o meu ato de escrever também é dolorido, assemelha-se ao desabrochar da rosa. Nasce com uma idéia – uma palavra – e morre no texto, ou melhor, perpetua no texto, pois nele torno-me imortal. Eu irei, mas meus escritos ficarão. Em gavetas, em baús, mas ficarão.

Ontem eu estava como um botão de rosas: duro, fechado e sem beleza. Hoje comecei a desabrochar: Inspirei-me num cheiro de madeira, um perfume amadeirado, com um sedutor aroma; o que sairá de dentro de mim ainda é mistério. Quem sabe amanhã eu terei a resposta? Não sei.

O fato é que quando não escrevo ainda em botão sou. Tudo se abre diante das minhas mãos quando estou diante de palavras dançantes, tudo clareia e neste momento ocorre a minha afloração. Eu saio do escuro e ganho o mundo repleto de brilhos.
Anita Fogacci
Enviado por Anita Fogacci em 11/09/2007
Reeditado em 10/01/2008
Código do texto: T648273

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Anita). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anita Fogacci
Cabreúva - São Paulo - Brasil, 45 anos
532 textos (38797 leituras)
1 e-livros (264 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 04:01)
Anita Fogacci