Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
"A morte da raposa"

Era uma velha raposa, que de tola nada tinha. Fingia manso, mas revelava em sagacidade toda a sua fome. Sorrateira, não perdoava presa nova, quanto menos a apetitosa velha ovelha: o bom caldo da senil é melhor, é mais experimentado, mais sovado e mais apetitoso.

Tinha no olhar a magia das feras: hipnose certeira e mortal. Não temia os inimigos, ocultava-os todos; ignorava os avisos e dissimulava o perigo, tudo teatro; mas que raposinha vigarista!

Num certo dia, destes que anunciam tragédias; estava a raposa –hipnótica- a espreita de um delicioso prato: uma semi-deusa ovelha, parecia um amontoado de algodão virgem, intacto, totalmente casto. Não esmiuçou, contra-atacou em um só golpe.

Mas a “ardilosa” ovelhinha, ressabida da velha raposa –que já cultuava fama de “devoradora” de animais indefesos- sobressaltou-se, conseguindo esvair-se das garras –nada afiadas- da medonha raposa.

Por fim, vendo que a raposa estava cansada e já desanimada, a ovelhinha mostrou-lhe a língua e pôs-se a rir do algoz. Deu-lhe as costas, como inibindo o perigo, arrebitou as ancas – de um animalzinho ainda em crescimento – e saltitou majestosa.

Envergonhada pela falha e percebendo que já não era mais a mesma raposa de antes, arremessou-se ao chão –já entregue ao combate- e dormiu um profundo sono: o da sua eterna morte enquanto “predador”.
Anita Fogacci
Enviado por Anita Fogacci em 12/10/2007
Reeditado em 10/01/2008
Código do texto: T690800

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Anita). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anita Fogacci
Cabreúva - São Paulo - Brasil, 45 anos
532 textos (38797 leituras)
1 e-livros (264 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 20:55)
Anita Fogacci