Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A POESIA ADOÇA A BOCA NUM DIA DE COBRA

Tudo o que faço é um canto de amor ao irmão. Pobre de mim que sou apenas um condenado a pensar e a dizer o que percebo e sinto. Deus é o bafejo que me anima. Assim como a emoção é o meu cadinho de ansiedade e de consciência, o exercício do amar o próximo é a voz Dele, não a minha. Assim, creio, nasce a minha condenação à Poesia. Ele, o mago do mundo, é invisível e impalpável. Não é um bichinho de pelúcia que se afofa junto ao coração e ao rosto desde a infância. Mas é de fofura e calor a sensação na pele quando o amor está próximo da gente. Ele, por vezes é miragem, um vulto indefinido no meio do deserto. Mas é possível sentí-lo quando a humanidade sofre e não pragueja. Dobrados os joelhos e de mãos postas, o homem é figura formosa. Rememora a Humildade, esta criatura tão pouco havida no coração do homem comum. É simples a gestação do amor. O difícil é abrir a alma para o encantamento.

– Do livro CONFESSIONÁRIO - Diálogos Entre Prosa e Poesia. Porto Alegre: Alcance, 2008, p. 273:4.
http://recantodasletras.uol.com.br/prosapoetica/695285
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 15/10/2007
Reeditado em 20/11/2011
Código do texto: T695285
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2778 textos (755319 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 07:46)
Joaquim Moncks