Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AZEITONAS

I.

Enquanto me recolho ao quarto, balanço a caneta e cultivo o caderno, mal sei do quanto estou para me desapegar, mal sinto sair de mim o que deveras costumo emanar.

Em cada palavra sugada para fora, um pedaço que sai. Menos meu, letra – trás- letra, fragmento que expele e não traz. Menos minha a palavra. Os personagens como recentes rebentos deixarão a fonte para amamentarem-se n’outro seio, n’outro pensamento.

E eis onde nos encontramos jovens. Supermercado Pontes, amostra grátis de groselha derramando, ao fundo azeitonas roxas. Criadora atriz, Matriz escritora. E aí convergem nossos dramas sutis. Dilema. Desfazer-se de um pouco de si pela trama, deixar escoar lentamente pelas pautas, pelos tablados, em cena...

- Será que cultiva?

II.

Cada letra que sai edifica o momento, fomenta, traz ainda mais para perto a cria. Fermenta.

Se antes era eu dona absoluta  desses inventos, dona única  entre  quatro rebocos de cimento, agora  quem me vê através deles e lhos lê um pouco em mim, faz-me dona outra vez , me acrescenta um intento.E de novo a nós voltaremos: atriz ; escritora. Voltamos a nos ver pendentes, anos depois. Maduras, sorridentes, matronas. No Pontes já não há mais groselha pingando, nem frente às verdes azeitonas.

- E a criação?
- Cresceu, vai bem.
-Ainda amamenta?
-Já pode ser amamentada por outros, mas vez em quanto, amamenta também.
Juliana Santiago
Enviado por Juliana Santiago em 18/10/2007
Código do texto: T699657

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Juliana Santiago
Fortaleza - Ceará - Brasil
119 textos (20745 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 14:56)
Juliana Santiago