Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Foram meses intermináveis.As noites arrastavam se lentamente,
os dias eram escuros ou nublados.
Vi um emaranhado de caminhos,e não sabia onde iriam dar.
Qual era o melhor?Para onde me levaria?
Porque se apresentavam assim?sem começo...sem fim?
Os espinhos e pedras ladeavam cada um deles!
Mais era preciso escolher.Afinal, a vida não pára prá você passar.
Como é difícil!
Nossas histórias de vida nos levam por caminhos nem sempre escolhidos,
ás vezes tortos...sinuosos mais que precisam ser trilhados.
É difícil admitir nossas pequenas e grandes falhas.
É difícil admitir que somos frágeis...que precisamos, 
de maior suporte emocional  quando todos a nossa volta nos vêem
como pessoas fortes e equilibradas.
No entanto, todo carvalho por mais forte e resistente que seja,
um dia encontra um lenhador disposto a cortá-lo,
disposto a expor sua fragilidade dúvidas e incertezas.
Assim,senti a dor rasgar minha pele,encharcando-a de suor e lágrima.
Minha única proteção adquirida durante anos foi arrancada . A  pele,
essa ficou  desnuda ,sobrou-me a carne vermelha e viva,
nos olhos a ardência e o sangue jorrando quente.
Mas...todo processo de cura é doloroso.
Minha alma em suas inúmeras migrações precisava fortalecer-se.
Alguns precisam recuperar-se de doenças físicas,outros de doenças mentais e,
a grande maioria de doenças espirituais.
Eu precisava curar-me de uma espécie de vazio...vácuo.
Solidão acompanhada ou acompanhada de solidão.Como queira!
O fato é que sempre vivi em busca de algo.Precisava sentir -me amada,tocada.
Mais do que isso...ENERGIAS ESSENCIAIS.
Como pode alguém com uma vida estabelecida,filhos e marido sentir -se assim?
Sempre me destaquei no trabalho,nos prohetos,nos estudos.
Mais me sentia assim  desprovida dos minímos necessários para menter-me em equilibrio.
Eu precisava acordar deste pesadelo!
Acordei!!!
Estou a recomeçar...
Que se danem os que se sentem incomodados com isso.
Que se exploda todas as maldades e mentiras lançadas sobre meus ombros.
São seres rasteiros que insistem em se colocar em meu caminhar.
Despojo-me pouco a pouco do velho,
Coloquei àlcool iodado nas feridas,
Perdoei minha falta de tato e daqueles que me rodeiam,
Superei ausências sem par,
No fundo do fosso cavei minhas forças.
Forças esquecidas ou perdidas nos caminhos por onde andei.
Agora quem volta é minha alma.
Cônscia de si!

lisbella
Enviado por lisbella em 18/11/2005
Código do texto: T73211
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
lisbella
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 50 anos
345 textos (16835 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:32)
lisbella