Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Boêmio e a Solidão

Sinto-me surda diante dos ruídos que me atordoam,
Tua falta é absurda, por que não estás aqui, por que
Não me tiras para dançar, por que sem ti não desejo bailar?
Dentro de meu silêncio etílico revolvo meu pensamento idílico,
Será que te amo ou meu peito que está em solene solidão?
Só Baco conhece o que meu coração oculta neste momento, e observa a tudo, atento.
Não, não é falta de ti o que me preocupa, é o medo do esquecimento, do vazio,
De perceber que no afã da multidão onde os rostos se multiplicam,
Sinto muita solidão e nem me dou conta dos que me rodeiam, alheios à minha situação de aflição.
Os casais, os dançarinos, o cantor, os vizinhos transpirando em êxtase
Ao som da música que ensurdece, é incrível como tudo é gênese quando penso em ti e retorno ao estado inicial onde tudo é possível mas a mim me parece incrível.
E sei que tu nesse momento adormeces, simplesmente. Ou bebes como eu, em transtorno meticulosamente calculado e frio para esquecer dos problemas que afligem a mente, totalmente sem razão pois esta jamais será a solução.
NilzaFreire
Enviado por NilzaFreire em 15/11/2007
Reeditado em 15/11/2007
Código do texto: T737811
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
NilzaFreire
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 53 anos
398 textos (9577 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 00:20)
NilzaFreire