Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A vigésima quinta hora

Talvez por ficar contando estrelas que se escondem.  Talvez porque nas manhãs é que os sonhos que eu sonho são palpáveis.  Ou quem sabe seria porque enquanto eu fico triturando a vida outras pessoas me levam à morte.

Ainda não fiz o meu exame de consciência necessário para fazer parte desse planeta imaginário.

Como pude dormir tanto e perder uma essência que me faria respirar entre um cigarro e outro?

Se houvesse explicação para a sanidade e para a loucura elas estariam em alguma tese científica.  Mas ninguém é são o suficiente.  E nem é louco o suficiente.

Somos mutantes nessa casa transitória.

Há tantos deuses como há seguidores. E para cada um, há um templo.  O meu deus ainda se encontra entre um sorriso de soslaio e um desdém de ombros.  Não está com nenhuma pressa em domar a minha irracionalidade.

Teria que criar uma hora menos imprópria.  A 25ª seria a essencial.  Mas não me encontrará nela.  Já terei partido numa cauda de cometa.

Não estou sob o efeito etílico.  Nunca estou. Nunca estive.

Aí é que o inexplicável surge.  Porque a mente está completamente lúcida.  E a lucidez é a grande causadora de males.

Descobrir-se apta para a demência é no mínimo uma tremenda alergia. Ou uma tremenda alegria.

Escolho a alegria, porque vagar entre neurônios e fotografar a imparcialidade, é uma arte. Arte plural.

As conexões são paralelas.  Como paralela é a ciência que encurta a inteligência.

Nos meus livros coloridos, manuseados, empíricos, as frases grifadas não fazem sentido. São frases de nenhum efeito.

Não descobri, ainda, porque há tantos seguidores de filosofias.

Todos são subjetivos.  O filósofo e o seu seguidor.  Cada um, a seu modo, busca dissecar o incompreensível.  Um, diz, é. O outro, pensa, talvez. Eu, concluo, não.  O que somos afinal?

Um bando de loucos rindo da própria loucura.

Isto não é totalmente alérgico? Ou imensamente alegre?

Na dúvida, vou ingerir um antialérgico logo, porque nem tudo na vida passa.


Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 21/11/2007
Reeditado em 14/06/2012
Código do texto: T746262

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
509 textos (25900 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 02:34)
Dora Leal