Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Mortalha de Cada Um



Essa pergunta que não se cala...

O que somos nós? O que fazemos nesta terra se não, expiar nossos pecados, nossa aflições e nossa dor?

Seremos sempre um grande nada, uma grande ausência de verdade, uma grande ausência de fé.

Queria um mundo diferente, mas meu olhar perde-se nesta escória humana que disputa entre porcos e urubus, o pão sangrento de cada dia.

Onde os cães gemem cheios de sarna (chagas vivas) e gatos são mortos sem piedade, onde os bebês são paridos nas ruas, vindos de “lixeiras humanas”.

Meu mundo colorido se desfaz nesta água da vida, parada, estagnada, insossa de tanta dor.

E o que fazemos é também um grande nada, cuspimos, enxotamos e nos benzemos enquanto vivificamos aquele que leva em sua mão a estrela da manhã.

Mas o inferno prolifera, fabricando mortalhas e abre vagas a todo instante enquanto Deus se regozija ouvindo Hendel (celestial).

Só resta então, calar no peito em soluço contido, a vergonha de ser tão impotente.

Luciah López
Enviado por Luciah López em 25/11/2007
Reeditado em 18/08/2009
Código do texto: T751967
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Luciah López
Curitiba - Paraná - Brasil
1432 textos (76641 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 14:02)
Luciah López