Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

meu coração, coração.

Quando naquela manhã o coração balançou e se apertou entre dois sufocos, pensei que, olhando em frente, os azuis, os verdes e as pedras, eles seriam a derradeira oportunidade de quem vê e olha a vida, pela ultima vez.

Lembro aquele momento como se fosse uma despedida.

Sentida, triste, amargurada.

Nele e de forma fulminante, lembrei os que habitam, em mim, e fizeram o meu mundo.

As palavras que emergiram como sensação viva e permanente de chegar mais além, aos sentimentos perpetuados em cada gesto, em cada lembrança, foram como que um diluvio.

Como foram longos aqueles brevissimos momentos em que a respiração se cortou e a vida pareceu distante...

...E que recordações nos assaltam e tomam a respiração que nos falta...

Naquele instante lembrei tudo e todos, como se a metáfora do tempo fosse um mero passajar no instante amordaçado...

Aquela manhã foi terrível...

...E eu, num esforço titânico, olhando o espaço vazio que me rodeava, pensava em todos quantos não estando ali, poderiam, dando-me sua mão, dizer: Estamos aqui!

Quando, mais tarde, na marquesa da cirurgia, computadorizado por inumeros fios e visto por não sei quantos monitores, tudo se vi-a sobre meu coração, senti que os meus sentimentos estavam sendo profanados no recôndito dos meus segredos, só porque o deleite do fumo iludiu minhas expectativas, traindo o prazer e o meu bem estar.

Hoje, na distancia próxima, ficaram os dias de sobressalto, ficou esse pesadelo interrogativo de saber o que será depois.

Depois...agora, amanhã...

Essa indefinição arrogante, essa expectativa adiada de cada dia valer pelo que vale e cada sentimento continuar a ser o que é.

Afinal, ser o que sou.

A palavra de sobressalto, que brotando de mim, deixa o dia e a recordação de hoje na história do dia de amanhã...
 
João Videira Santos
Enviado por João Videira Santos em 23/11/2005
Reeditado em 23/11/2005
Código do texto: T75296

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Videira Santos). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Videira Santos
Lisboa - Lisboa - Portugal
233 textos (16636 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 18:42)
João Videira Santos