Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

[A Poética das Águas: "A Transição das Águas"]

     A trilha e as águas... correm, correm... e, junto à trilha, na imensidão da invernada, imponente, a palmeira de bacuri. O seu talo grosso e escurecido dos anos tem as marcas das folhas perdidas no crescimento. O lodo verde lá no pé das folhas formado pela umidade guardada das chuvas, as folhas bastas e verdinhas, os cachos de cocos se debruçando: a palmeira que é sinal de terra boa! Ninguém a corta, pois desmerece a terra. O bacuri e a trilha; para sempre juntados nas referências da gente! O gado parece que anda em curvas de nível nas encostas das montanhas. Segue sempre as mesmas trilhas estreitas e sinuosas que contornam os bacuris caprichosamente. Eu costumava colocar o cavalo numa dessas trilhas e deixava-o seguir, rédeas soltas, até a sede da fazenda. Antes de chegar à curralama, a trilha passava pela rasura de um córrego que corria num leito rochoso.
     A trilha passava próximo de uma cachoeira, a poucos metros do tombar das águas que rebojavam entre as pedras sob uma enorme gameleira que se dobrava, pujante, sobre o riacho. O animal estacava no meio do riachinho para beber. Enquanto ele roncava a barriga saciando a sede, eu olhava as águas se precipitarem. Ah! Quantas vezes eu ficava olhando, pensativo, o detalhe da água que chega para cair! Fixava o meu olhar bem no momento em que a água se curva para descer; ali estava o ponto crítico, o momento da queda. Estonteado, eu me via despencando no tombo das águas e sendo levado pela correnteza.
     Aquela transição das águas sempre me impressionava. O riachinho vinha calmo, saía de um brejo de taboas de lodo amarelado e corria mansinho, mansinho. De repente, a queda inapelável! Luta com as rochas que lhe obstruem o caminho, agita no ar, como se fossem compridos chicotes, as raízes escuras que, presas aos troncos das árvores, se esgalham em múltiplas pontas sobre a correnteza.
Depois da descida e de tantas rochas vencidas no embate eterno, lá embaixo, se ouvia o som profundo e contínuo da correnteza principal que sumia, borbulhando, tragada pelo buraco que ela mesma cavou ao longo dos tempos...
     Mais adiante, um outro brejo onde às vezes eu ouvia cantar a saracura. Ali, água ficava mansinha novamente, e como se estivesse saindo de um gozo intenso, corria satisfeita, recompondo-se. Contida em novos limites, alisava o dorso e lambia, plácida, os capins do barranco! Nem parecia a mesma água que esbravejara mais acima!
      Aquelas águas que lá correram, ainda hoje passam por aqui! Ah! Como eu gostaria de poder cantar a descida daquelas águas! Acho que se pudessem, elas cantariam assim:

     Escapando de um lago mais acima,
     Preso entre as montanhas da serrania,
     Eu vinha, corguinho manso,
     Correndo lento por entre as palmas das taboas.

     Mas a Terra que me dá a forma e a direção,
     Decide que é chegada a hora da súbita transição;
     Toma-me, na declividade de seu ventre,
     E envolve-me num abraço estreito.
     Nessa súbita posse que me arrebata,
     Não tenho mais a mansidão da planície;
     Divido-me em várias corredeiras que deslizam,
     Acariciando a cabeleira de longas raízes escuras
     Que as árvores soltam sobre as minhas águas rápidas.

      Agito minhas águas, espumo, contorço-me
      Entre as rochas que tentam me conter;
      E no prazer da descida inevitável,
      Lanço espirros d'água para o alto!
      E sigo no abraço sôfrego com a Terra;
      Ela aperta-me, atrai-me para si,
      E nos envolvemos no leito que nela cavei a fundo.

               [Excerto do meu livrinho "Araguaris (Narrativas Poéticas)"]
Carlos Rodolfo Stopa
Enviado por Carlos Rodolfo Stopa em 29/11/2007
Reeditado em 22/04/2012
Código do texto: T758168
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Carlos Rodolfo Stopa e o site http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=1377). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Rodolfo Stopa
São José dos Campos - São Paulo - Brasil
979 textos (48695 leituras)
33 áudios (3326 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 05:35)
Carlos Rodolfo Stopa