Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

entra-me

agora a noite caiu, estranha e vazia, como se a distância das coisas mais naturais fosse aquela desafiamos dentro de cada momento do nosso tempo. Onde estão as fronteiras? onde está o agora e o ontem onde nem o futuro nos presencia, onde o tempo de tais momentos se esvazia na memória das emoções e das sobras de nós mesmos? Afinal, quais os caminhos? que importa quais os caminhos, afinal? E o tempo e a memória e aonde? Caminhar na espera, será esse o espólio. Na espera de qualquer coisa inadiável e absoluta, aquela leveza transparente das vozes longínquas de quando se dorme na praia. Creio admitir um enorme deserto. Falemos, então, das sombras, esses pássaros difusos no calor dos medos. Falemos das sombras e das vozes que nelas habitam, as vozes - ouvem-nas? e se misturam preguiçosas e fáceis de ignorar não fôra um qualquer movimento abrupto, incalculado e rasteiro. As sombras, não falemos das sombras
Venoi
Enviado por Venoi em 01/12/2005
Código do texto: T79667
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Venoi
Portugal, 65 anos
23 textos (567 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:32)
Venoi