Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Donzela e o Riacho.

 
  A fazenda Vargem Grande situa-se numa planície e é banhada por um riacho de médio porte. Oriunda das montanhas, a corrente se precipita em cachoeira muito próxima à Casa Grande formando um lago límpido e profundo. Nele, quando o sol já vai alto e pendendo para o poente, uma imagem de menina se forma e se balança com o passar das ondas formadas pelo impacto da queda d’água.

Em pé e próxima do lago, um corpo bem feito, oculto pela saia balão e em tom rosa; sendo de estatura mediana, ajeita o chapéu sobre a fronte. O sol, quem sabe, encantado com a sua beleza, a banha de luz e calor. Sua pele clara mostra manchinhas sensuais que se estendem pelo pescoço em direção ao colo. Os olhos castanhos buscam nas redondezas algo de novo naquelas paisagens; o nariz pequeno e reto a diferencia das demais e, em todas as manhãs ensolaradas, ela vem apreciar o aroma do lugar. Instintivamente, olha ao lado e  vê um lindo ramo florido,  próximo aos seus pés, envoltos por delicados calçados de cetim que os protegem. Junto ao lençol aquoso, gentilmente se inclina, mas o chapéu branco se despreende da cabeça; com uma das mãos o recolhe e, com outra, apanha daquelas flores. O ato de agachar faz com que os cabelos presos acima das orelhas mostrem sua graça, enaltecendo as finíssimas presilhas de prata. São longos e fartos, dividindo-se em duas madeixas, uma para cada lado do rosto, indo até a altura dos seios, voluptuosos envoltos em babado colorido. Calmamente, ela se levanta, sorve dos odores relaxantes do lugar e repõe o chapéu. Os dedos suaves tomam uma das flores e a coloca sobre a orelha. Novamente, deixa inclinar-se, agora sobre as águas e, ao ver sua imagem refletida, entreabre os lábios médios num sorriso manso e provocante. Das flores que colhera, seus dedos hábeis dividiram algumas pétalas em partículas e as despejaram no rio. Nele, peixinhos vêm à tona para recolhê-las. Com suas formas graciosas, aparentavam fazer “biquinhos”, como se estivessem enviando beijos à distância. Por sua vez, nas margens, aquela jovem se encanta e, levando os dedos nos lábios, os retribui. A encenação do beijo a deixa pensativa. Seus olhos, mais sérios, mostram que, entre a singeleza, já desponta um pouco de malícia. Entende que sua hora está prestes a chegar: o momento de partilhar dos assuntos secretos em que sua mãe e as comadres se fazem cautelosas, quando notam sua presença. Quem sabe se o sonho de toda donzela não se realize? E, no seu tempo, um príncipe não despontará em trajes elegantes, montado num cavalo branco, vindo das colinas, tomá-la-á nos braços e conduzi-la-á ao paraíso dos amores? Os lábios, agora ofegantes, mostram a ansiedade e o desejo de ser tocada por um senhor gentil, num ambiente dócil e seguro. Estando sozinha, toca discretamente os seios e lentamente deixa cair uma das mãos por sobre o corpo, acariciando o vestido e a pele macia, numa busca silenciosa, aflorando à imaginação, na procura de sensações que a vida não lhe ofereceu; porém, ela está disposta a prová-las. Nesse devaneio, é alarmada pelo som do sino que dobra na fazenda. É a chamada para o café da tarde e quando todos os caboclos se reúnem.    Ainda com a pele ruborizada, procura recuperar o ar de seriedade, respira fundo; então, ajeita o chapéu na cabeça, atira as flores ao riacho e magistralmente caminha, em silêncio, na direção daqueles que a esperam.
 
Outubro de 1990.

www.sbat.com.br/autores Ciro do Valle (pesquisar)
 

 
Ciro do Valle
Enviado por Ciro do Valle em 23/04/2006
Reeditado em 07/06/2006
Código do texto: T144012
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ciro do Valle
Salesópolis - São Paulo - Brasil
99 textos (5150 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:12)
Ciro do Valle