Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RELEMBRANDO Sucessos

                   Como INTERIORANO do PARANÁ QUERIDO, A SAUDADE DE MINHA TERRA, com gosto de DOCE DE CIDRA, sempre foi MEU MARTÍIRIO, com LÁGRIMAS DA ALMA.formando inicialmente um RIOZINHO, depois um RIO DE LÁGRIMAS.
NOS VERDES CAMPOS DE MINHA TERRA, galopando o CAVALO ZAINO,
que deixa a MARCA DA FERRADURA quando está CORTANDO ESTRADÃO, nós TRÊS BOIADEIROS vivíamos felizes, dançando a CATIRA entre TROPAS E BOIADAS, ouvindo as histórias do VELHO CANDIEIRO, JOÃO BOIADEIRO
Mas a MÁGOA DE BOIADEIRO e a TRISTEZA DO JECA é ouvir os cantos da ANDORINHA, CUITELINHO, ASSUM PRETO, CANARINHO DO PEITO AMARELO e do CHITÃOZINHO E XORORÓ.
Na parada da CHALANA, nas TARDES MORENAS DE MATO GROSSO espero  A NOIVA DO MEU BAIRRO, MERCEDITA, com seu FEITIÇO ESPANHOL, e não noto a presença das TRÊS CUIABANAS.
A CIRIEMA, com seu canto triste me diz que a FRONTEIRIÇA, A MOÇA DO CARRO DE BOI quer falar comigo e me dar um BEIJINHO DOCE.
TRISTE, CALADO, fechei a VELHA PORTEIRA voltando ao meu REINO ENCANTADO, que fica no RANCHO DO VALE.
A POMBINHA MENSAGEIRA, presente da ÍNDIA, MEU PRIMEIRO AMOR, me traz RECORDAÇÕES de ETERNA SAUDADE.
Na ORAÇÃO DO SERTANEJO acrescentei a AVE MARIA DO SERTANEJO, implorando a ação da RAINHA DO PARANÁ, SANTA TEREZINHA e SÃO JUDAS TADEU, esperando  o MILAGRE DAS ROSAS ou até o MILAGRE DA FLECHA.
Retornei a minha LINDA CIDADE, entrando pelo ATALHO da AVENIDA BOIADEIRA, dirigindo meu FUSCÃO PRETO. Não encontrei MEU VELHO PAI, nem minha MÃE AMOROSA a me esperar, pois sou FILHO ADOTIVO.
No VELHO POUSO DE BOIADA, a POUSADA DOS TRÊS COQUEIROS, ao lado de um RANCHO VAZIO, deitei num COURO DE BOI,  em cima de um CARRO VELHO  de boi,   junto à PAINEIRA VELHA , perto de um ESTEIO DE AROEIRA.
Vi a BOIADA CUIABANA: BOI SOBERANO, BURRO PICAÇO, A MULA PRETA,  A BESTA RUANA, NELORE VALENTE, BOI AMARELINHO, VACA ESTRELA E BOI FUBÁ, junto com o meu CAVALO ENXUTO.
No AVIÃO DAS NOVE, NA POLTRONA 36, retornei AMARGURADO com meu VELHO AMOR, a DONA JANDIRA, que vive 24 HORAS DE AMOR  num LAR FELIZ, ao lado de SERAFIM E SEUS SETE FILHOS   no mesmo endereço , no APARTAMENTO 37, às vezes ENTRE TAPAS E BEIJOS , embora casados ,não sei se numa  CATEDRAL   ou numa IGREJINHA DA SERRA  .
Para a GENTE DE MINHA TERRA,  LA NO  PÉ DA SERRA com SAUDADE DO MATÃO esta não é a HISTORIA DE UM PREGO que um NOVATO  conta, mas sim A VOLTA DO CAMINHEIRO e  AS VOLTAS QUE O MUNDO DÁ   com um BOIADEIRO ERRANTE   que virou PEÃO DA CIDADE,  tocando   o BERRANTE DA SAUDADE, na ESQUINA DO ADEUS, MORRENDO DE AMOR  pela MORENINHA LINDA, lá no RANCHO DOS IPÊS.
 
Carvalho Santos
Enviado por Carvalho Santos em 18/07/2006
Reeditado em 25/11/2008
Código do texto: T196780
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carvalho Santos
Salesópolis - São Paulo - Brasil, 67 anos
42 textos (4526 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:44)
Carvalho Santos