CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Psicologia - Ciência e senso comum *


BOCK, Ana Mercês Bahia e outros. Psicologias: Uma introdução ao estudo de psicologia (Capítulo I). - 13 ed. reformada e ampliada - São Paulo: Saraiva, 2002.



 - Cotidiano e conhecimento científico

Há uma estreita relação entre cotidiano e conhecimento científico. Essa relação existe pelo motivo que o conhecimento científico tem como objeto de estudo o real e o real faz parte do cotidiano [ conhecimento cotidiano ]. Porém, os dois são baseados em conhecimentos distintos.

Exemplo de uso cotidiano do conhecimento científico: O atravessar da rua com os carros em movimento. O tempo em que o café ficará quente na garrafa.


 - Senso comum

É todo aquele conhecimento acumulado durante uma vida. É o conhecimento empírico que é passado de geração a geração.

Exemplo: chá de boldo.


 - Visão de mundo

A visão de mundo é produzida pelo senso comum e este, mesmo com sua forma precária - que é a forma da visão de mundo - , faz parte do conhecimento humano. A visão de  mundo é determinada pelo lugar onde o sujeito está inserido na sociedade, pela sua posição histórica-social-ideológica.


 - Apropriação da Psicologia pelo senso comum

Há muitos conhecimentos da Psicologia apropriados pelo senso comum. Podemos citar como exemplo de apropriação: 'rapaz complexado; 'menina histérica'; 'ficar neurótico'. Mesmo sem sabermos definir cientificamente os termos citados, não deixamos de ser entendidos, pois estas palavras já tem seu significado no 'senso comum'.


 - Domínios do conhecimento humano

Arte, religião, ciência e senso comum são domínios do conhecimento humano.

A arte abrange toda a sensibilidade do homem impressa no mundo através das artes plásticas, seja pintura, desenho, literatura, música, etc...

A religião abrange o conjunto de pensamentos sobre a origem do homem, seus mistérios e princípios morais.

A filosofia preocupa-se com a origem e o significado da existência humana.

A ciência compõe-se do conjunto de conhecimento sobre os fatos, os aspectos da realidade [objeto de estudo da ciência ] e é expressa por meio de uma linguagem precisa e rigorosa.

O senso comum abrange o conhecimento [ não-científico ] de tudo aquilo que aprendemos e apreendemos ao longo da vida.


 - Características atribuídas ao conhecimento científico

Objeto específico
Linguagem rigorosa
Métodos e técnicas específicas
Processo cumulativo do conhecimento
Objetividade


 - Diferença entre senso comum e conhecimento científico

Enquanto o senso comum baseia-se no conhecimento acumulado ao longo da vida, o conhecimento científico é experimentado, provado de forma científica, não apenas vivido.


 - Possíveis objetos da Psicologia

O homem em todas as suas expressões visíveis [ de comportamento ], invisíveis [ nossos sentimentos ], singulares [ porque somos assim ], genéricas [ porque somos todos assim ]. Enfim, é o homem-corpo, homem-pensamento, homem-afeto, homem-ação e tudo o que está inserido no termo subjetividade.


 - Diversidade dos objetos de estudo na Psicologia

Os motivos responsáveis pelos vários objetos da Psicologia podem ser explicados pelo fato deste campo ter-se constituído como área do conhecimento científico só muito recentemente [ fins do século 19 ], apesar de existir a Filosofia enquanto preocupação humana.

Um outro motivo que pode ser citado é que sendo o 'homem' o objeto da Psicologia, o pesquisador confunde-se com o objeto pesquisado. Portanto, a concepção de 'homem' que o pesquisador traz consigo
[ confunde ] contamina a sua pesquisa em Psicologia. Isso ocorre principalmente porque há várias concepções de 'homem'  entre os cientistas.


 - Matéria-prima da Psicologia

O homem em todas as suas expressões e tudo o que está sintetizado no termo 'subjetividade'.


 - Subjetividade

Síntese singular e individual que cada um de nós constrói conforme vai vivenciando as experiências da vida social e cultural. É construída internamente a partir dos estímulos e vivências externas. Enfim, a subjetividade é a maneira de sentir, amar, pensar, fantasiar, sonhar e fazer de cada um.


 - Porque a subjetividade não é inata?

A subjetividade não é inata porque ela precisa da vivência do mundo externo para ser construída. E essa construção é feita aos poucos, Enquanto o indivíduo modifica o mundo exterior constrói sua subjetividade [em seu interior ]. Portanto não poderia ser inata ao homem.


 - Práticas místicas - Podem ser comprovadas cientificamente?

Elas não podem ser comprovadas cientificamente porque tem como objeto a alma do indivíduo e não o 'homem' em sua totalidade.

...



* Caberia melhor em resumos, mas aqui não há esta opção. Portanto optei por 'redações', porque não deixa de ser uma redação sobre o assunto.










Milena Campello
Enviado por Milena Campello em 13/04/2010
Código do texto: T2194119

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Milena Campello - Recanto das Letras).

Comentários

Sobre a autora
Milena Campello
Cáceres - Mato Grosso - Brasil
277 textos (65859 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/14 07:41)