CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Administração, Escolas Clássicas e a Teoria da Contingência

As Escolas Clássicas, em geral, tratavam a administração como um processo fixo, inflexível. A administração Sistemática, especializada, generalizada por Smith, falhou. Em resposta à esta, surgiu a Científica, defendida por Taylor, que também não logrou êxito, ao determinar uma única e melhor forma de completar as tarefas de produção. Com esta abordagem, Taylor dava prioridade à área produtiva da organização, utilizando métodos que “engessavam” a administração. Este deu origem ao modelo mecanicista, na qual o homem é considerado  parte da máquina.
Ao contrário de Taylor, Fayol afirma que a Função Administrativa é a mais importante de todas, contrapondo esse no que diz respeito à prioridade na organização. Diferentemente destas, Weber apresenta a Burocracia, analisando a organização em todo o seu contexto social.
De acordo com Silva (2012), em meados do Séc. XX surge algumas críticas à Escola Clássica, no tocante a despreocupação desta com os fatores humanos. A partir daí, surge a Escola das Relações Humanas, tendo como ideia central o Homem Social.
Se contrapondo, em parte, também àquela, surge a Teoria Contingencial. O ponto de partida desta é o questionamento da “melhor forma” – “Best way” – (BARRETO, 2004), pregado pela Escola Clássica. É importante salientar que, embora a crítica, esta teoria não descarta as outras advindas da Clássica; afirma que não há nenhuma universal e, a depender do contexto, usa-se esta, ou aquela.
Para Melo (2008), a Teoria da Contingência é baseada “ [...] na premissa da inexistência de um modelo que se adapte a todas as empresas em todas as circunstâncias, pois as mudanças ocorrem nos sistemas em função do impacto de determinados tipos de ocorrências.” Isto é, o comportamento da organização depende da situação em que ela se encontra.
De acordo com a Teoria Contingencial, não existe uma fórmula definida, estática, para se trabalhar nas organizações, visto estas serem “ [...] sistemas abertos, que interagem com o ambiente, sendo, portanto, dependente de variáveis situacionais, contingenciais.” (SILVA, 2012).
Ainda de acordo com Melo (2008), há “[...] uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas apropriadas para o alcance eficaz dos objetivos nas organizações.” Portanto, seu funcionamento é complexo visto às diversas mutações constantes do ambiente externo à organização.
Além da influência do ambiente externo, e o tamanho da organização – que requer um tipo de processo administrativo diferenciado dependendo de sua estrutura -, há também as tecnologias que são necessárias para a realização dos objetivos organizacionais.
Tom Burns e G.M.Stalker, citado por Melo (2008), ao realizar uma pesquisa visando conhecer a relação entre as práticas administrativas e o ambiente externo de vinte indústrias inglesas, classificaram as indústrias em dois tipos – As Mecanístas  e as Orgânicas. Para estes pesquisadores, de acordo com Melo, as mecanístas são mais apropriadas sob condições ambientais estáveis, com ênfase nos princípios da Teoria Clássica - divisão do trabalho, cargos ocupados por especialistas, hierarquia, etc. Já em relação as Orgânicas percebeu-se a grande importância dos recursos humanos, visto que estes é que permite que as organizações se adapte as mudanças do ambiente – ideia da contingência -, desenvolva e aprimore as tecnologias, alcançando os objetivos da empresa.
Por fim, podemos ver que a teoria contingencial é um “mix” das demais, fazendo o uso de cada uma, ou complementando-as conforme for exigido.
REFERÊNCIAS
BARRETO, William W. Teoria da Contingência. Disponível em: < http://www.portaladm.com.br/Tga.htm>. Acesso em: 30 de Set. de 2012.
MELO, Adenilza da Silva. Teoria da Contingência. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos /26432/>. Acesso em: 30 de Set. de 2012.
SILVA, Joelma Soares da. Disciplina Teoria Geral da Administração. Fortaleza: UFC Virtual, 2012.
Marcio Beserra
Enviado por Marcio Beserra em 01/10/2012
Reeditado em 03/10/2012
Código do texto: T3911152
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Marcio Beserra
Palhano - Ceará - Brasil, 22 anos
4 textos (18223 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/04/14 22:07)