Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DONA ROSITA, A SOLTEIRA Federico Garcia Lorca

De manhã cedo, ao abrir-se
Rubra como sangue está.
Pela tarde fica branca,
De um branco de espuma e sal.
Quando a noite vem baixando,
Principia a desfolhar-se...
Federico Garcia Lorca

Rosita é uma jovem órfã criada com todos os mimos pelos tios. Consagra seu primeiro amor no noivado com o primo. Sua alegria é contagiante. A mocidade desnuda todas as possibilidade e realizações de Rosita com um jardim no fundo do cenário.
Os pais do primo adoecem e o noivo é obrigado a ir ao interior cuidar da fazenda da família. Os jovens noivos fazem planos, reafirmam as juras e o moço parte em sua missão, prometendo breve retorno. Rosita permanece cuidando do enxoval, costura no mundo os sonhos de uma jovem apaixonada. O tempo passa e as dificuldades se sucedem. Tantas cartas tentam justificar as ausências, tantos diálogos são marcados com a insustentável compreensão de Rosita.
Os personagens envelhecem. O tio morre e deixa a casa e os móveis hipotecados, a tia, a ama, Rosita, as solteironas... Todos permanecem no mesmo cenário, convivendo com os sonhos juvenis da noiva e dos novos planos desenhados, nas cartas que ainda chegam na idealização do noivo distante há anos.
Dona Rosita, envelhecida, não percebe o tempo e continua a se vestir e comportar como a jovem noiva, costurando e bordando novas peças para o enxoval.
A última esperança é um casamento por procuração, mas o documento nunca chega. Longa espera, até Rosita enterrar o sonho de se casar. O noivo contraíra matrimônio há muitos anos e já construiu uma vida longe dos ideais juvenis, apenas manteve esperanças de Rosita nas cartas que mandava eventualmente por não ter a coragem de romper o compromisso.
“Eu sabia de tudo. Sabia que ele tinha se casado; uma alma caridosa se encarregou de me contar, e eu recebia as cartas dele com uma ilusão cheia de soluços, que até a mim mesma espantava. Se os outros não tivessem falado, se vocês não tivessem sabido; se ninguém mais além de mim soubesse, as cartas e as mentiras dele teriam alimentado minha ilusão como no primeiro ano de sua ausência. Mas toda gente sabia...”
A peça encerra com a protagonista saindo da casa ao anoitecer, enquanto chove, para não ser vista pelos demais.
Dona Rosita, a solteira é um dos textos teatrais que destacou Federico Garcia Lorca como o grande dramaturgo espanhol. Drummond traduziu o título desta peça como “A linguagem das flores”. Suas peças penetravam o universo feminino e desnudavam a alma da mulher espanhola e os contextos em que viviam
A maternidade, o casamento, a religião, o papel social da mulher foram temas abordados com muita propriedade em seus textos e criaram um alerta para muitas hipocrisias da sociedade de sua época. Porém, a leitura dos textos nos mostra a atualidade de muitos sentimentos, obriga-nos a uma reflexão profunda de nosso papel e do poder de transformação que podemos adquirir se assumirmos o conhecimento do que nos cerca.
Presenciamos a decadência da protagonista quando nos certificamos que Dona Rosita não assumiu a vida como um projeto a ser construído de acordo com as circunstâncias, insistiu em não compreender as novas realidades e permaneceu costurando o enxoval do que poderia ter se consumado.
Como diz o filósofo espanhol Ortega Y Gasset “Eu sou eu mais a minha circunstância”. Assim, leitor, não podemos permanecer no mundo sem tentar desvendá-lo. A vida é uma conquista diária que requer conhecimento e luta. Não deixe que falsas ilusões o prendam a ideais passados.
Cultive o próprio jardim, mas não se deixe aprisionar nas estufas sociais. Crie um personagem ousado e viva o roteiro de sua autoria.
Minhas primeiras leituras teatrais foram as peças de Federico Garcia Lorca, entre elas, destaco “A casa de Bernarda Alba”, “Yerma”, “Bodas de Sangue”, “Dona Rosita, a solteira”. Tais viagens literárias transformaram-me numa apaixonada pelo teatro.
Diante de novas circunstâncias, conheci Lorca como poeta, músico e artista plástico. Estudei sua biografia e lamentei que suas possibilidades tenham sido fuziladas pela intolerância e pela irracionalidade humana durante o regime de Franco.
Um silêncio que nunca poderá ser interpretado.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 24/01/2005
Reeditado em 13/05/2005
Código do texto: T2278
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 46 anos
614 textos (783731 leituras)
2 áudios (1250 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 12:38)
Helena Sut

Site do Escritor