Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MULHER DE PEDRA - TARIQ ALI

“Os mitos são sempre mais poderosos que a verdade nas histórias das famílias.”
Tariq Ali

A primeira frase prende a atenção do leitor. O escritor paquistanês explora, com as linhas áureas da ficção, a decadência do Império Otomano e as histórias confessadas e recriadas de uma família tradicional.
O romance é narrado por Nilofer, uma mulher otomana, afastada da família por vários anos após a fuga e o casamento com um inspetor de escola grego. O ideal do amor romântico do ocidente se esvai no dia-a-dia de privações e, depois de nove anos e dois filhos, a mulher madura retorna à casa paterna e compreende a cultura em que está inserida no resgate de sua identidade.
A forte personagem esculpida na gruta do jardim da residência de verão, uma rocha indefinida e misteriosa, supostamente uma estátua feminina, é a Mulher de Pedra. Sob seus pés, as mulheres da família, durante gerações, confidenciaram suas dores e seus amores, dando a versão sigilosa das histórias contadas no salão sob as maquiagens dos tempos distantes. Os relatos retiram as máscaras dos mitificados protagonistas sob o olhar atento das crianças escondidas atrás da rocha.
Ishander Pasha é um diplomata acostumado ao poder. Homem dividido entre a vida de embaixador na França e de patriarca de uma tradicional família otomana. Um homem com muitos mistérios e afastamentos. Ele sofre um derrame e sua fragilidade reúne a família na casa de veraneio. Os antepassados são deificados e condenados nos segredos desvelados.
As personalidades das esposas e dos filhos vêm à tona. As histórias se revelam sucessivamente. A filha encontra na mãe a impulsividade de um amor de juventude, a aceitação de um conveniente casamento e a vida tranqüila ao lado do patriarca. Nilofer descobre sua verdadeira origem distante do que estava acostumada a crer, vive a separação do marido, a morte do pai de seus filhos pelo grupo radical “Jovens turcos” e um novo casamento.
O irmão Salman, filho da primeira esposa de Ishander, falecida no parto, descobre o motivo que fundamentou o afastamento do seu pai e sua necessidade de viver distante. Confessa a tragédia que arruinou sua vida com a traição da mulher e a descoberta de que os dois filhos não eram seus. Halil, o irmão general, argumenta sobre as causas do declínio do poder nas reuniões familiares e desenha a situação política atual nos encontros do Comitê.
O tio Memed Pasha e o seu companheiro prussiano, Barão Hakob von Hassberg, chegam ao palácio, trazendo champanhes e vestindo roupas estilizadas de alfaiates europeus, numa referência explícita aos valores ocidentais impregnados no homem otomano liberto das austeras tradições. Tiram os véus do homossexualismo em paralelo com as retronarrativas de perversões sexuais realizadas com os serviçais pelo antepassado Yusuf Pasha que construiu o palácio diante do mar de Mármara na ocasião de seu exílio.
A mulher muçulmana é desmistificada em cada confissão. Compreendemos a força dos sentimentos, a consagração do prazer, a racionalidade de algumas decisões e a edificação da vida em paralelo com a construção do amor oriental. A exploração da mulher e a violência sexual, amarguras e sofrimentos, confessados ao pé da estátua, são assemelhados aos constrangimentos e desilusões vividos por muitas mulheres ocidentais e escondidos nos véus da culpa e da vergonha das sociedades ditas liberais.
A Mulher de Pedra é o corpo simbólico da mulher que dá vida a gerações e imortaliza a história familiar nas percepções e vivências das crianças. Alimenta o conhecimento... A pedra de formas imprecisas conquista a confiança de todos e acalenta os desencantos com a certeza de sua forte presença. Os verdadeiros sentimentos fogem da racionalidade cotidiana e se perpetuam nas infinitas emoções sob os véus que escondem as formas misteriosas das muçulmanas.
A história da família confunde-se com a história do Império Otomano. Percebemos a decadência do patriarca e do Poder quando os homens se aproximam da Mulher de Pedra para confessarem suas fraquezas. Eles também sofrem por amor, experimentam as relações familiares norteando a geografia de seus sentimentos, sentem medo das conseqüências das mudanças políticas.
O romance encerra com a gravidez da narradora. O escritor encontrou a metáfora perfeita para figurar a continuação da família nos seios doloridos da gestante e o amanhecer de um novo século depois da crise geopolítica do ocaso do século XIX.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 24/01/2005
Código do texto: T2282
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 46 anos
614 textos (783727 leituras)
2 áudios (1250 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 10:54)
Helena Sut

Site do Escritor