Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ferreira Gullar e a Gênese do Poeta

Em entrevista concedida à Folha de S.Paulo, e parcialmente publicada na Folha Online,o poeta Ferreira Gullar fala sobre como se descobriu poeta e a aventura de escrever. Está muito interessante. Ouso, no entanto, discordar do nosso grande vate, por achar que há um poeta no fundo de cada ser humano. Diria até mais: embora não acreditemos, há um ser humano no fundo de cada habitante deste planeta.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u56206.shtml

"Você nasce poeta", diz Ferreira Gullar


"Você nasce poeta. Como disse Noel Rosa, samba não se aprende na escola", afirmou na tarde desta quarta-feira o poeta Ferreira Gullar, 75, em sabatina realizada pela Folha em São Paulo.

Durante duas horas, Gullar respondeu a perguntas feitas por entrevistadores e pela platéia. Para sabatiná-lo, foram convidados os colunistas da Folha Nelson Ascher, Pasquale Cipro Neto e Manuel da Costa Pinto e o professor de história da cultura (USP) Nicolau Sevcenko. O poeta foi a décima personalidade a participar das sabatinas da Folha.

Nascido no Maranhão, José Ribamar Ferreira publicou seu primeiro livro de poemas, "Um Pouco Acima do Chão", em 1949. O poeta afirmou que a efervescência literária brasileira contemporânea à sua juventude e ao início da sua produção não o influenciou de imediato.

Marcelo Lobos/Folha Imagem
 
Ferreira Gullar foi sabatinado nesta quarta

"Nasci em São Luís [MA]. Era uma cidade à qual as coisas chegavam cem anos depois. Para mim, os poetas estavam todos mortos. Essa era uma profissão de defuntos. Então, comecei como poeta parnasiano, com decassílabos e dodecassílabos", disse. "Só mais tarde tomei conhecimento de que havia outra poesia que não era rimada e metrificada: nenhum princípio a priori, nenhuma norma. A poesia agora não tem forma, e a linguagem nasce junto com o poema."

Essa ausência de forma pré-estabelecida está em sua primeira obra de destaque, "A Luta Corporal", publicada em 1954 --que, segundo o poeta, "destroça toda a linguagem". "Augusto de Campos [um dos pais da poesia concreta] me disse: 'A sua posição é destrutiva; a nossa é construtiva'."

Duas décadas depois, Gullar publicou "Poema Sujo" (1976), extenso poema editado em livro. "Não planejava escrever um poema tão grande. Na verdade, não planejo meus livros", ressalta. A obra foi escrita em Buenos Aires, durante o seu exílio. Pouco tempo antes, ele havia deixado o Chile, que se fechara após a morte de Salvador Allende. "Meu apartamento foi invadido várias vezes", lembrou.

Com seu passaporte invalidado na Argentina, que também se tornava uma ditadura, o poeta afirmou que passou a sentir-se preso e angustiado. "Achei que tinha de escrever a última coisa possível. Pensei: 'Vou dizer tudo enquanto é tempo, vou vomitar o meu passado na página, sem ordem nenhuma, como se fosse uma galáxia, e extrair um poema."

De cara

Para Gullar, não se aprende a ser poeta --ou você é ou não é. "Recebo coisas de jovens do país inteiro. Leio o primeiro, o segundo, o terceiro poema e só. Porque você vê de cara se ele é do ramo ou não. Um poeta é diferente do outro, mas ele tem sempre uma maneira especial de lidar com a palavra."

Sua produção não segue uma linearidade temporal, depende das inspirações que vão surgindo ao longo da sua vida, ele explica. E, se elas não vêm, o poeta não chega perto do papel e da caneta.

"Quando acabei 'A Luta Corporal' [1954], entrei em crise. Acabou tudo, destruí a linguagem, fiquei no vazio. Fiquei estudando filosofia por muito tempo. Não tinha rumo, estava perdido."

Governo

Gullar, que já foi presidente da Funarte, demonstrou insatisfação com o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Não votei nele. Há muito tempo eu já não acreditava que o PT seria capaz de governar o Brasil atendendo aos desejos da população." Entre as decisões do partido que o poeta julga equivocadas estão a oposição à Lei de Responsabilidade Fiscal, o Fundef e o acordo de não proliferação de armas nucleares. "[Esse governo] é uma empulhação."

Sobre o ministro da Cultura, Gilberto Gil, Gullar afirmou que tem ouvido muitas reclamações. "Artistas de diferentes áreas dizem que o ministro não tem cumprido o seu papel. Dizem que os projetos não vão adiante, que as solicitações não têm andamento."

Para ele, a função do governo é apenas dar suporte às artes, não direcioná-la. "Quem cria arte é o povo, não o governo. [O governo] tem de criar condições para os artistas, não orientá-los [como vem acontecendo]", afirmou o poeta, que já teve uma produção literária de conteúdo político.

Apesar da freqüência irregular, Gullar continua escrevendo --segundo, ele, "apesar da idade". "Achava que, com a idade, a gente perde a capacidade de escrever. Mas estou é ficando mais pirado", brincou.
Nelson Oliveira
Enviado por Nelson Oliveira em 22/12/2005
Código do texto: T89339
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Oliveira
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 55 anos
345 textos (25575 leituras)
2 áudios (313 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:21)
Nelson Oliveira