Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A PAIXÃO DE CRISTO

A PAIXÃO DE CRISTO
FLAVIO MARTINS PINTO
Mel Gibson poderia ter contado as horas finais de Jesus Cristo com menos sangue. Mas o seu relato está fiel ao que consta em todos os escritos sobre os últimos momentos daquele que veio dar sua vida em troca da remissão dos pecados terrestres.
Parece que o grande ator hollywoodiano gosta de sangue e relembramos Coração Valente e também Todos Fomos Heróis, como exemplo, filmes nos quais desempenha o papel de guerreiro, comandante, chefe e líder. Jesus Cristo também foi um guerreiro, mas um guerreiro sem armas que procurava conscientizar a população que as Virtudes deveriam ser a bússola da vida, do amor ao próximo, do perdão, da crença na reencarnação como continuação da vida terrestre. Suas armas eram o seu exemplo em atitudes, que diuturnamente transmitia aos seus seguidores e sua sabedoria a cada palavra e ato que participava. Não deixava nada em branco, nada sem resposta.
Confesso que foi difícil assistí-lo, mas a cada momento lembrava, como a me martelar a cabeça, que a verdade é dura, mas temos de aceitá-la. Custe o que custar.
Não podemos ver o filme com os olhos do séc XX com Direitos Humanos, etc...e sim com os daquela época onde a pena de crucificação era normal no Império Romano e com requintes de humilhação.
A surpresa para quem vai meio desarmado de espírito é a extrema brutalidade com que Jesus Cristo é tratado.  Acostumamo-nos com os filmes de bang-bang, e até os orientais atuais com pancadas para todo lado, com o mocinho apanhando e no fim, acerta um direto no bandido e vence a luta. Neste caso, Jesus leva a pior. Sabíamos que levaria a pior, mas no fundo sempre havia uma esperança de, ainda vivo, mostrar algo superior aos seus algozes. A nossa mente condicionada aos filmes de mocinho-bandido aguardava um final feliz que sabíamos que não viria.
-“ Pai, eles não sabem o que fazem”  frase histórica de Jesus Cristo que,  em belo e bom som, reconheceu toda a maldade a que estava sendo submetido, mas ao mesmo tempo perdoava aqueles que as praticavam. Esta foi a resposta de Jesus Cristo ante um inimigo que o acusava, atacava, surrava, o ensangüentava. Para seus acusadores valia menos do que um fora da lei reconhecido- Barrabás.
Mel Gibson nos apresentou uma relíquia de filme, uma verdadeira lição de uma obra irretocável na montagem, seqüência de cenas, cenário, costumes, guarda roupa, música e diálogos. Neste, eu me dei mal, pois costumo evitar ler as legendas, mas em Aramaico....nem sei o que diziam e se era correta a tradução.  Só sei que em alguns momentos nem os escribas do filme “pegaram” o que os atores diziam, pois não havia legendas nem em inglês nem em português.
Independente disto tudo e a despeito da violência sofrida, a mensagem de Cristo divulgada naqueles momentos dramáticos e pelo Cristianismo mundo afora, encontra amparo também em outras religiões, considerando que todas possuem pontos comuns, do Cristianismo ao Islamismo, passando pelo Hinduímo, Judaísmo, Budismo e Espiritismo.
 Jesus era de fato um Avatar, uma divindade que desceu á Terra para iniciar e fechar uma Era. Com Moisés, Krishna, Maomé, Zaratustra, voltarão no fim dos tempos para dirigir a Humanidade no caminho da paz e da salvação. Assim pregam suas religiões. Dizem os hindus que o Sermão da Montanha contém uma síntese dos 9(nove) upanishad, as máximas da religião hindu e, de acordo com o Islamismo, Cristo anunciou a vinda de Maomé. Os espíritas o vêem como um espírito do mais alto nível enviado á Terra com os padrões éticos e morais necessários para a evolução espiritual. Mensagens que ele nos transmitiu mesmo em uma situação totalmente adversa. E, pelo que consta, foi o único atacado ferozmente e por sua própria gente.
Por sublime ironia, os romanos que perseguiram cristãos e os mataram em espetáculos públicos e ainda foram encarregados da execução de Cristo, hoje acolhem sua Igreja e seu representante máximo-o Papa. Já os judeus ainda parecem carregar sua cruz.
E é por aí que temos de encarar e receber as mensagens e olhar A Paixão de Cristo. A não ser aquele ateu que nada viu além da brutalidade, e que achou um horror. Claro... Então, tá.
FLAVIO MPINTO
Enviado por FLAVIO MPINTO em 19/01/2006
Código do texto: T101115

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FLAVIO MPINTO
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 65 anos
530 textos (94143 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:34)
FLAVIO MPINTO