Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CÓDIGO DA VINCI

CÓDIGO DA VINCI, de Ron Howard, EUA, 2006
FLAVIO MPINTO

Diziam os críticos que era o filme mais esperado do ano. Justificaram pelo estrondoso sucesso do livro de Dan Brown e pela verba gasta na película.
Me recordei da música dos Titãs- O melhor banda dos últimos tempos da última semana, ....e fui ver o filme de Ron Howard.
O assunto gira em torno da polêmica entre Jesus/Maria Madalena/Templários. No meio da trama enredada de simbolismos entram o Vaticano, Opus Dei e seu líder Bispo Aringarossa, Museu do Louvre, história da Arte, e um grupo de homens e mulheres que guardam um milenar segredo mesclando simbolismos e dinheiro.
A nossa vida esta rodeada de simbolismos e muitos, por mais absurdos que sejam, se cruzam e ligam atos e fatos numa coincidência bárbara. Alguém já pensou no número 7? 7 são as cores básicas, 7 são as notas musicais, e por aí vai. Mas não deixa de ser uma obra de ficção com tudo que tem direito. O sepulcro de Maria Madalena não está, obviamente , debaixo daquela fantástica pirâmide de cristal no Louvre. Se bem que o inspetor a classifica como uma cicatriz em Paris???? Já havia ouvido referências negativas a essa obra de arte por parte de um “historiador” num curso de Projetos Culturais. Respondi-lhe que os franceses nada entendem de Arte e daí ....Que coisa!
No meio do filme encontrei uma certa dificuldade em ligar pontos devido a quantidade de fatos e dados em jogo. A minha cabeça parecia em parafuso e ainda com a eletricidade do filme que não deixa o espectador quieto, nem sem raciocinar, pois estava atento aos aspectos que estavam acontecendo e por vir. A cada momento surgia um fato novo e complexo modificando o raciocínio. No entanto o autor foi inteligente ao desarmar a bomba que montou, desacelerando a trama no seu final, permitindo que o espectador saia mais leve da sala de cinema. Mexer com temas polêmicos  da Igreja Católica  não é fácil, daí a reação em todo mundo contra a obra.
A encrenca começa com  o assassinato do Curador do Museu do Louvre. No mesmo dia, um famoso simbologista de Harvard, o americano-Robert Langdon/Tom Hanks- ministrava uma aula sobre sua especialidade  no mesmo local. O capitão Fachet/ Jean Reno, inspetor da Polícia francesa, chama Langdon para decifrar os símbolos que foram deixados em torno do cadáver de Sauniére. Para acompanhar o desenrolar da decifração da simbologia é designada uma criptóloga  da Polícia- Sophie Neveu/ Audrey Tautou, neta de Saunière. Com o avanço das investigações, ou melhor, decifração da simbologia agregada ao cadáver, a infância de Neveu surge como peça principal. Sem antes, ainda no Louvre, serem ameaçados e  fugirem de Silas- o verdadeiro assassino de Saunière, da Polícia parisiense e do grupo que deseja manter o segredo do Santo Graal. Coincidência ou não, Langdon solicita guarida num dos principais implicados na trama- um historiador inglês- Sir Leigh Teabing/Sir Ian McKellen. Nesse ínterim, como em toda trama onde tem um inglês morando só num castelo envolvido, seu mordomo rouba a cena. Muitos pensaram que ali havia acabado o segredo do filme: puro engano.
Por trás do capitão inspetor, estava o bispo Aringarosa, mais preocupado em não perder o apoio financeiro do Vaticano e conseqüentemente poder. O inspetor que já havia incriminado Langdon como um assassino em série , estava obcecado em sua captura gerando desconfianças na sua própria equipe de investigações.
Perguntas:  - foi coincidência o crime no dia da palestra de Langdon no Louvre?
                 - foi mera coincidência chamar-se para auxiliar na investigação a neta do curador?
                 - o gerente/motorista do carro forte do banco suíço sabia do que existia dentro do cofre secreto ou era do grupo de Aringarossa?
                 - o fanático Silas era um mero executor das ordens do Bispo Aringarossa?
                 - foi mera coincidência Langdon procurar o historiador inglês seu guru na fuga?
                 - porquê Fachet não interrogou Langdon como manda o figurino, ao invés de sair rachando, incriminando-o com o assassino de Sauniére e depois de assassino em série com as outras mortes cometidas por Silas?
                 - será que tudo foi adredemente preparado por Sauniére pressentindo sua morte?
                 - a criação de Sophie por seu avô adotivo seria parte da trama?
                 - qual a verdadeira missão do Priorado de Sião, se é verdade que existe ou realmente existiu ?
O que fica claro é que alguém mais estava por trás de tudo, inclusive das atitudes do mordomo e do gerente/motorista do carro forte.

Enfim, qual seria o verdadeiro segredo? Apenas o local do sepulcro de Maria Madalena? ou a "proibição " de mulheres na Igreja Católica assumirem postos de divulgação da doutrina no lugar dos homens?
Ao analisarmos uma pintura, podemos saber se  o pintor é engajado no social, por exemplo, mas a polêmica do grande Leonardo da Vinci corre junto com seu gênio artístico.
Por isso não se deve deixar de ler o livro e nisso complementa e deixa o filme mais inteligível. Além dessa prévia leitura deve-se relembrar quem eram os Templários, a vida de Jesus Cristo, as Cruzadas, saber um pouco sobre a Opus Dei e a administração da Igreja Católica e Vaticano. Não custa nada e o filme e a nossa curiosidade e cultura  merecem isso. É uma obra de ficção, voltamos a afirmar,  mas nos leva a uma forte reflexão. Se quisermos brigar com alguém não será com a Opus Dei nem com repositários dos Templários, Igreja Católica ou siquer com a policia francesa, os bancos suiços e sim com o autor.
Estamos cercados de simbolismos , interesses dissimulados e segredos manipulados por todos os lados que muitas vezes nos colocam literalmente na defesa por duvidarmos da verdade, ou melhor,  que aquilo é verdade ou não. A profusão de dados incriminatórios e absolvitórios, como diria Odorico Paraguassu, são incontáveis.
Poderia dizer que a velha máxima de que os mortos ainda comandam os vivos é pura verdade.

Será que essa turma que está aprontando hoje no Brasil com esses rolos todos seguiu a cartilha do Da Vinci? Nunca saberemos a verdade. Ou saberemos?

Esqueci de dizer que a trama é embalada pela sensacional trilha sonora de Hans Zimmer( Gladiador).
FLAVIO MPINTO
Enviado por FLAVIO MPINTO em 24/05/2006
Reeditado em 05/06/2006
Código do texto: T161911

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FLAVIO MPINTO
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 65 anos
530 textos (94146 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:12)
FLAVIO MPINTO