Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Resenha do Filme: O Carteiro e o Poeta. Direção de Michael Radford, baseado no livro homônimo de Antonio Skármeta, em interface com o artigo de Elena Godoy de tema: Sobre a poesia política de Pablo Neruda.


Elena Godoy possui graduação em Letras Espanhol/Inglês pela Universidade Pedagógica de São Petersburgo (1976), Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Paraná (1988), Doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1992) e Pós-Doutorado (2007) também na Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professora Associada da Universidade Federal do Paraná, atua na Graduação e na Pós-Graduação em Letras. Seu interesse atual se concentra principalmente nos seguintes temas: linguagem e cultura, semântica, pragmática, geopolíticas lingüísticas e ensino de línguas estrangeiras com ênfase no espanhol. È Líder do Grupo de Pesquisa "Linguagem e Cultura” /UFPR/CNPq, que reúne pesquisadores e alunos de várias universidades, e tem como característica principal a interdisciplinaridade, que compreende a linguagem e outras áreas de atividade humana.

Em virtude de razões políticas o poeta chileno Pablo Neruda interpretado pelo ator Philippe Noiret se exila em uma ilha na Itália. Lá, mantêm contato com Mário Ruppolo, um desempregado quase analfabeto que é interpretado pelo ator Massimo Troisi, que é contratado como carteiro extra, encarregado de cuidar das correspondências do poeta, gradativamente entre os dois se forma uma sólida amizade, sendo que, o carteiro solicita e recebe a ajuda do poeta a fim de conquistar o grande amor de sua vida Beatrice que é interpretado pela atriz Anna Pavignano.

O filme retrata a história da Mário Ruppolo que habita numa região à beira-mar com o pai, que é um pescador como a maioria dos homens da localidade. Ocorre que, Mário não quer ser mais um pescador como seu pai e os demais homens da localidade, ele tem até alergia a peixe, no entanto, apesar da sua pouca instrução ele deseja um pouco mais do que a pescaria. Então, para fugir da pressão do pai de também ser pescador, Mario divide seu tempo entre longos passeios, e quando pode, vai ao cinema.
 
Ao saber que surge uma vaga nos Correios, Mario vê a chance de unir seu gosto pelos passeios com sua bicicleta, a um trabalho longe das pescarias. Aliado a isso, o prazer que mais tarde ele descobriria de ter um contato maior com Pablo Neruda, pois ele se torna o encarregado de cuidar das correspondências do poeta, que encontra-se em exílio político, devido aos seus escritos. Aos poucos, as barreiras entre esses dois homens aparentemente opostos vão se quebrando. Surgindo uma amizade. Mário, em sua simplicidade, ganha o carinho de Neruda. Que o ajuda a vencer a timidez para se aproximar de sua amada Beatrice. Com o término do exílio, Neruda vai embora. Mário, por sua vez já está casado. Mas não é mais o homem de outrora. Quer agora falar e muito, o que faz com que ele se engaje na política de oposição.

Destaco aqui, uma passagem onde a sogra de Mario fica a repetir “o pássaro comeu e foi embora“. Que Neruda aproveitou-se do genro enquanto lhe foi útil. Então, Mário lhe diz que se alguém fora útil ao outro, esse alguém fora Neruda a ele. Ele sim, aproveitara aquela convivência. Aprendera muito de si mesmo com o poeta. Claro que para ambos, carteiro e poeta, não houve uma materialidade nessa convivência, mas sim, uma troca saudável, prazerosa e que preencheu a vida deles naquele período. Por iniciativa de um, como também da boa receptividade do outro, houve carinho, respeito e apreço naquela amizade. Mesmo num curto período, fora marcante. E ele não foi apenas um cumpridor do seu dever - o de entregar carta.

O filme retrata de maneira muito genérica as causas do exílio de Neruda, a partir disso, resgato o artigo de Godoy -  também a historia política de Neruda - para elucidar as causas que levaram esse magno poeta chileno ao exílio.

Pablo Neruda nasceu em 12 de julho de 1904 em Parral (Chile). Filho de um ferroviário começou a escrever poesia muito cedo, seu nome original era Neftalí Ricardo Reyes, adotou o pseudônimo de Pablo Neruda para não aborrecer a seu pai, e o converteu em nome oficial em 1946.  Em 1927, com apenas 23 anos, foi nomeado cônsul honorário do Chile em Rangún (Birmania). Em 1933 passou a desempenhar idêntico posto em Buenos Aires. Depois seria sucessivamente destinado a Batávia, Java, Espanha (onde coincidiu com a Guerra Civil), França e México. Foi Senador pelo partido comunista em 1944. Em 1948 a ruptura do comunismo chileno com o governo de Gabriel González Videla lhe obrigou a viver oculto durante um ano e depois exiliar-se. Em 1949 visitou a União Soviética com motivo do sexto centenário de Pushkin.

Emancipado cedo do modernismo, sua poesia de maturidade, de grande conteúdo social. Entre suas obras destacam: La canción de La fiesta (com a qual ganhou o prêmio do certame poético dos estudantes chilenos, em outubro de 1921), Crepusculario (publicado em 1923 por sua conta), Veinte poemas de amor y una canción desesperada (1924, para o qual já encontrou editor), Tentativa Del hombre infinito (1925), Residencia en la tierra (primeiro volume, 1933), El hondero entusiasta (1933), Residencia en la tierra (segundo volume em 1935), España en el corazón (1937), Canto de amor a Stalingrado (1942), Tercera residencia (1947) Canto general (México, 1950), Que despierte el leñador (Prêmio Stalin da Paz, 1950), Todo el amor (1953), Las uvas y el viento (1954), Odas elementales (1954; o quarto tomo, Navegaciones y regresos é de 1959), Canción de gesta (1960) e Cantos ceremoniales (10 poemas inéditos, 1962).

Neruda estabeleceu, nos seus últimos anos residência em Ilha Negra, ainda que continuasse viajando frequentemente, foi nomeado embaixador na França pelo governo de Salvador Allende.  Enfermo de leucemia, Pablo Neruda morreu em Santiago de Chile em 23 de setembro de 1973, algumas semanas depois do golpe de estado de Pinochet. Neftalí Ricardo Reyes é o poeta chileno mais conhecido como Pablo Neruda, que tem sua obra marcada pela emotividade e as preocupações sociais. Ele ganhou o Prêmio Nobel de 1971.

Em seu artigo sobre a poesia política de Neruda, Godoy retrata a posição  ideológica que  a obra dele carrega,  isso por que, um dos primeiros contatos da autora com a obra de Neruda, foram as mais engajadas e que tinham em sua maioria uma inspiração político-social. No entanto, segundo a autora, Neruda era um homem de múltiplas facetas. Mas, ele,  se tornaria, mas político do que falaria de amor, pois o contexto em que o mesmo estava inserido o tornou um ser político, ativo e contestador dos desenvolvimentos da história do Chile, que já foi tratado um pouco na sua mini bibliografia.

No livro "Canto General”, que é tido como um extraordinário trabalho poético político, pois reúne 340 poemas, Neruda recria a história da América Latina sob a ótica da dialética materialista do Marxismo-Leninismo, refletindo como tema central a luta das classes desfavorecidas por justiça social, onde mostra ainda profundo conhecimento da história, geografia e da política Latino Americana, vendo no trabalho a força motriz da história. Pelo seu envolvimento com a política de seu país, Godoy pode afirmar que a posição poética de Neruda também é política, pois a mesmo, está o tempo todo preocupado em relatar através da sua poesia os problemas políticos e sociais que foram vividos por ele.

Enfim, a poesia política de Neruda, como é defendida por Elena Godoy, esteve e está a serviço de retratrar a conjuntura política da América Latina naquele período de transformações e sem dúvida exibe de maneira poética  e literária o contexto político chileno.

Referências:

GODOY, Elena. Sobre a poesia política de Pablo Neruda. Revista Letras, Curitiba, n. 65, p. 71-91, jan./abr. 2005. Editora UFPR.

http://juarezfrmno2008sp.blogspot.com/2009/03/resumo-do-filme-o-carteiro-e-o-poeta.html

RADFORD, Michael. O carteiro e o poeta. Duração 109 min. 1994.

Nainalva Reis
Enviado por Nainalva Reis em 24/08/2009
Reeditado em 01/04/2013
Código do texto: T1771794
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Nainalva Reis). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nainalva Reis
Salvador - Bahia - Brasil
63 textos (48851 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/12/14 04:27)
Nainalva Reis



Rádio Poética